28 de agosto de 2007

Suave atraso …. Indelével Corte!!!



Seria muita presunção da minha parte achar que Jesualdo leu o meu artigo anterior, mas o certo é que o Clássico já lá vai e desta feita saímos VENCEDORES. Havia lançado o repto de sermos diferentes, … Mas iguais a nós próprios! Inovadores… mas sem fugir aquilo que são os princípios de um Campeão, e o prof. trouxe-nos tudo isso. O Dragão engalanou-se a propósito, com os Ultra 95 a darem o mote. No esgrimir de forças, saíram os azuis e brancos vencedores e pode dizer-se em quase toda a linha, senão atentemos no decurso da partida…Com a bola a sair para os lagartos, passados inconsequentes segundos e fruto da muito em voga pressão alta o Porto tomava as rédeas do jogo, entramos a mandar, a impor o nosso jogo mas também a nossa estratégia ao adversário (bem o Mister no estruturar da equipa e da filosofia, obrigando-se o leão a pisar terrenos menos seguros para o seu famigerado losangulo), mesmo sem presença física na área, foi agradável ver a dinâmica ofensiva portista, que durante 30 minutos subjugou a seu belo prazer o leão, perturbado este só deu sinal de vida já bem perto do dealbar do 1º tempo. Foram sem dúvidas minutos de qualidade, futebol do melhor que se viu por terras lusas em início de época. Surpreendido, eu… atónitos a lagartada aguentava-se a bronca conforme podia e o papagaio montenegrino “Simon”… (o Pumba viria depois ao 53m), via do banco, colectivo e mais Tarik, que a esta altura do jogo punha os nervos em franga à defensiva leonina e deixava P.Bento a respirar fundo, logo a seguir Pé de Condão e a magia dos livres teleguiados de Quaresma, (definitivamente não tem sorte contra as cores que o lançaram, 3 bolas nos ferros em 2 jogos…este era de Antologia, não via nada igual desde um livre de Deco frente ao Benfas era Moreira o Keeper e daria em golo tal desígnio).

Só dava Azul/Porto muito garrido e um verde desbotado, muito Porto para tão pouco Sporting (nada diferente de Leiria), que não justificava qualquer divisão de pontos na altura. Os Dragões puxaram jogo a alas, muito bem Fucile, o lado esquerdo infernizava, Bosingwa mais comedido que em Braga, dava para as encomendas, P.Assunção era imenso e obstava a qualquer tentativa de os “leõezinhos” porem pé em ramo verde, Raul Meireles parecia um sprinter a sair para o ataque (que pulmão) e Lucho (a subir a olhos vistos de forma), dava um toque de qualidade a tudo o que fazíamos. Lisandro era o espelho da abnegação que púnhamos em campo, correndo kms, e tal como em Leiria era o 1º incómodo de M.Veloso, é certo não chegaríamos ao golo, mas sentia-se que estava perto, os últimos 10 min, trariam ao jogo acalmia, muito por culpa da virilidade excessiva (Quaresma roçou o vermelho, Bosingwa mostrou os dentes a Moutinho e P.Emanuel esticava as asas na defesa do espaço aéreo), Pedro Proença mostrava aqui a intranquilidade de quem até ali havia feito vista grossa a faltas mais pequenas (lambada de Tonel em Quaresma e pé alto sobre o mesmo Quaresma a entrada da área leonina logo nos minutos iniciais. O branqueamento nos pasquim foi total a estes lances), era o regresso aos balneários e o descanso dos nosso guerreiros, não sem antes nova oportunidade.

Reatava-se a etapa complementar e o prof. voltava a surpreender, sem fugir ao useiro, chamava Postiga ao jogo em detrimento de Tarik, era agora um Porto afagado no consolo de ter feito um bom 1º tempo. Via-se que a história podia ser outra, permitia-se um leão de juba eriçada com remates e jogadas de envolvimento e recuperação de 2ªas bolas que até então não haviam existido, vivia-se a pior fase para os azuis, quando Polga, pressionado por Postiga (mérito na disputa de bola e na pressão sob o guarda redes que com a sua atitude naife a”traiu” as intenções sob o mesmo). Suave o atraso…indelével o Corte!!! Livre indirecto, alguns parcos protestos, o técnico leonino previa o desfecho e deste lance surgia o mais que merecido GOLO

Inteligência, concentração, voz de comando a puxar a si a responsabilidade de definir, algo que como se ouviria depois nem se treina. Fora taxativo, com laivos coercivos os “juros” aplicados no leão, estes provavam agora do veneno que é o de ser o Juiz da partida a desequilibrar os pratos de uma balanço (admito que é um erro considerar aquilo um atraso mas erro maior é poder definir o lance de tanta maneira e agarrar a bola, tão atrapalhadamente). Daqui em diante sabe-se como os Dragões raramente permitem recuperações e volte-faces, Jesualdo ainda haveria de trocar sem profícuos ganhos, R.Meireles por Mariano (não justifica as oportunidades ainda, a rever quando jogar na sua posição), passaríamos ainda por alguns calafrios mais por culpa de Helton que sinceramente parece ainda longe da boa forma, que por acção de um Sporting desesperado que valha a verdade arriscou nos últimos 10min, passando ao plano B, 3*5*2 (Sr. Rui Santos afinal P.Bento tem outro sistema). Bolatti seria chamado ao conferir das emoções de um clássico em Portugal, e veria ainda novo erro grosseiro, com o perdão de um 2º amarelo a Derlei por contestação e incrédulo dei-me conta que nem M.Veloso (depois de levar que contar destribui farta fruta), nem Liedson seriam admoestados disciplinarmente por constantes acções sob Helton (useiro e vezeiro nestes actos). Era o esvaziar das tensões e emoções dos Adeptos, indeléveis 3 pontos no nosso bornal rumo ao Tri, suave o corte com o passado recente de não ganhar aos altruístas Viscondes…

(+) Positivo

(+) Colectivo e a Dinâmica, foi por demais evidente de que aqueles que nos querem fazer Quaresma dependentes, tiveram ontem que arranjar outro argumento, tal como previra nem só com Quaresma mas com todo. Mais que em Braga ontem fomos um todo e por isso não destaco ninguém nesta coluna.

(+) Defesa do espaço aéreo, parece evidente que pelos ares estão imperiais os centrais draconianos, (até posso vir a engolir próximo estas palavras), mas Pepe faz falta para a defesa jogar mais subida pela rapidez que punha e poder de antecipação, mas pelo ar estamos intratáveis.

(-) Negativo

(-) Inicio de 2ª parte e as substituições, adormecidos, recostados, ou o que fosse bem diferentes daquilo que viramos nos 45min. iniciais, o golo que veio equilibrar aquilo que parecia estar em défice…as substituições porque não foram capazes de devolver e incitar ao “matar” do jogo, não criamos uma oportunidade de golo que fosse no 2 tempo, excepção a um remate do meio da rua de Postiga, com subsequente disparate na recarga de Quaresma, (estive tentado a escrever sobre ele nesta coluna porque na 2 parte houve pouco dele)

(-) Pedro Proença, influenciou no lance que dita o resultado era bastante para a nota negativa, mas apesar de a maior razão de queixa ser leonina, é certo não foi criterioso e abusou do dialogo com os jogadores leoninos, fazendo vista grossa a lances que influenciaram o ritmo de jogo, esbracejou vezes sem conta no sentido de deixar jogar mas só em favor dos leões.

Momento do Jogo

Um calcanhar cerebral de El Comandante, exímio o disparo, quando todos esperavam Quaresma! A nú a continua burrice do GuardiãoSportinguista, que teimou em sair da barreira mesmo antes do Apito.

ps: Como sempre, agradece-se a cedência do logo do jogo, as fotos e o vídeo ao blog Bibo Porto

10 comentários:

tiago pimentel disse...

Boas Bruno,

Concordo com a generalidade do teu artigo, mas discordo plenamente na apreciação da arbitragem. Não que Pedro Proença tenha estado isento de erros, mas o lance que origina o golo, de difícil análise, parece-me ter sido bem decidido. Logicamente k uns dirão o contrário, mas no computo geral dos analistas, vence o SIM.

De resto, boa análise, incompreensível aquela substituição quase ruinosa do Raul Meireles, sobretudo pk o Mariano vai para uma posição k não a dele.

Abraço,

adolfo dias disse...

Como sportinguista, preocupa-me, mais que o erro do guarda redes, a exibição contra o F.C.P. Um equipa sem ambição, sem agressividade, que apenas efectuou o seu primeiro remate à baliza após a meia hora inicial, estando mais preocupada em não sofrer golos do que procurar marcá-los. Não vale a pena crucificar o guarda redes por causa do resultado. Apenas reflectir sobre a exibição. O Sporting ja provou ser capaz de fazer melhor que aquilo.

Miguel disse...

Relativamente à famosa questão “Foi passe ou corte?”
Eu examino isto como uma falsa questão. A Lei determina que o árbitro tem o poder discricionário de avaliar a intenção do jogador quando atrasa a bola. Ou seja, o árbitro NÃO ERROU. Podemos não concordar com a avaliação que ele fez da situação mas ele fê-lo no estrito cumprimento da Lei.
Não temos que opinar sobre o ERRO do jogador (g.redes dos meninos Verde Eufémia). É problema deles e do Paulo Bento…

Bruno Pinto disse...

Eu não tenho dúvidas que o Polga, ao fazer o corte, quis atrasar a bola a um colega, manter a posse da bola na sua equipa. Portanto, o árbitro fez o que lhe competia, caso contrário seria um erro em prejuízo claro do FC Porto.

Quanto ao jogo, o FC Porto foi claramente superior na 1ª parte, período em que o Sporting nada fez. Ao invés, o Sporting esteve melhor na 2ª, mas o FC Porto nunca deixou de contra-atacar e ser ameaçador e aqui é que está a diferença. No cômptuo geral, o FC Porto foi nitidamente superior e mereceu inteiramnete a vitória.

Confesso que não gostei quando vi que Tarik seria titular em detrimento de Postiga, mas reconheço que o marroquino esteve bem, embora durante pouco tempo. Gostei de todo o meio-campo portista - Lucho foi mesmo o mais apagado, mas no golo mostrou inteligência e classe. Não gostei de ver Lisandro a recuar para a zona de Miguel Veloso, pois na 1ª parte faltava claramente alguém na área. Para rebater os 4 do Sporting, o que penso que se deve fazer é a subida de um dos laterais. Outra coisa, começam a ser preocupante os 'rodriguinhos' do Bosingwa na defesa, ele anda irreconhecível (já na Supertaça inventou) e espero que volte ao jogador que conhecemos.

Acho que Jesualdo esteve mal ao retirar Meireles para colocar Mariano, pois foi aí que o FC Porto perdeu o meio-campo. O forcing final do Sporting e a incapacidade do FC Porto sair a jogar deveu-se a esta troca feita erradamente. É a prova de que, às vezes ser ambicioso não é o mesmo que inteligente (esta é para quem diz que Jesulado é medroso)!!

Abraço

deepdream disse...

Até k enfim! Até k enfim! E escrevo novamente, até k enfim vejo um adepto portista reconhecer k não existiu atraso, mas sim um corte e k o mesmo teve influência directa no resultado. Até k enfim!

Paulo Pereira disse...

Ó Deepdream, opiniões cada um tem a sua. Apesar do blog ser meu, sempre disse ao Bruno k ele tinha, e continuará a ter, total liberdade para escrever. E o Bruno, como bom portista k é, tem opinião própria, mente desempoeirada dos clichés do género, longe de poder ser tipificado como mais um adepto da bola, do género daqueles k tu pareces ser.
Ponto 1 - não concordo com a análise do lance feita por ele, mas aceito-a, atendendo à dificuldade de análise do lance.
Ponto 2 - o Bruno não reconhece porra nenhuma do k tu dizes. Ou percebes pouco de português, e nisso já não te posso fazer nada, ou estás claramente de má-fé e, se for o caso, mando-te dar uma volta ao bilhar grande.
Ponto 3 - curiosamente, o k me faz mais confusão, é vires para aqui, apregoar esta aparente idoneidade do cronista e tu, que até comentas num blog da treta, não fazes um único comentário sobre o erro crasso do Bruno Paixão na Supertaça. Das duas uma: ou achas k ele não existiu, ou k não teve influência no resultado. Independentemente do que pensas, a verdade é inequívoca: Bruno Paixão errou, em prejuízo do Porto, com influência directa no resultado, e tu nem abriste a boca. Não houve, parafraseando um palhaço, "Até k enfim, até k enfim, um lagarto reconhece k foi beneficiado".

Por isso, vai dar lições de moral pró caralho, pois quem nos venceu dois jogos, seguidos, com monumentais erros do homem do apito - podes ver no blog a imagem do penalty que ficou por marcar no ano passado, sobre o Pepe - foram vocês. Mas lá está, a vossa postura nesse caso não vos permite aferir isso, pois não?

O Infiltrado disse...

O mais giro com esta lagartada é ver que apesar de considerarem que houve um erro do àrbitro estão todos caladinhos, dirigentes incluídos... Quando perderam o Torneio do Guadiana para o Benfica treinado pelo CEPO MOR, fartaram-se de estrebuchar que tinham sido roubados!!! Meus amigos... se não ganham ao Fernando Santos, estão à espera de ganhar a quem????

BRUNO ROCHA disse...

Inflamados Comentadeiros Bloguistas...easy..vamos lá por partes..isto do ser democratico..nao me torna politicamente correcto..e por isso na defesa da honra tenho a dizer ao deepdream que nunca me custa admitir o k ker k seja..tenho de reconhecer que o arbitro deve ter o livre arbitrio de decidir as regras é k devem ser claras..ao k vejo a regra nao é clara deixando analise ao criterio do arbitro e isso é um erro..eu nao reconheci erro algum do arbitro pork ao k parece ele nem errou..pork ainda nao foi castigado..o k escrevi foi k para mim nao era atraso...e digo e escrevo isso pork se fora ao contrario tb nao gostaria de ver marcado ou punido contra as minhas cores.Isto nao fazs de mim melhor ou mais portista reconhecer qd somos beneficiados, mas tenho de dizer em abono da verdade k me da um certo prazer terem perdido por esse acto...sou de opiniao k kuaker um dos intervenientes na jogada teve soluçoes para nao redundar em apito contra e nao foi talvez dai aceite k deva ser penalizada a ekipa k se escuda no mais façil k foi apanhar a bola com a mao..kd escrevo k foi o arbitro quem desikilibrou a balança é verdade, assim como na supertaça foi ele k impediu esta de se poder ekilibrar novamente..o sr.proença ja viu e reviu e continua achar k puniu bem o lance, como tal, agora mais que isso eu nao julgo com imponente veracidade..se as regras sao assim e o k manda é o criterio do arbitro, assim seja(menos contra nós) se isto fosse matematica 2+2=4 e se errar castigo!!!as coisas mudavam na arbitragem.Voces lagartos de sol penumbro deveriam era perguntar-se pork nao jogaram merda nenhuma durante 90% do jogo, tal como em Leiria e k pontapes abencoados nao saiem todos os dias na roda da sorte...Atenta na subtileza do titulo da cronica e perceberas o lance sera sempre discutivel, estaria ainda para ver se o lance fosse ao contrario o k diria-mos...e isso de exercicios de especulaçao e barriga cheia, sao absortos e melancolicose nao estou para isso...Quanto ao mais obrigado ao Paulo pela defesa acerrima e pela possibilidade de expressar opiniao neste espaço cada vez mais visitado.
Gosto de vos ver agastados e sedentos de opinar em blogs alheio, aparecei sempre, fazei com a malta o caminho do Tri por as vossas agruras so agora começaram....

GM disse...

Eu acho que o Bruno Pinto diz tudo quando diz: "Eu não tenho dúvidas que o Polga, ao fazer o corte, quis atrasar a bola a um colega, manter a posse da bola na sua equipa. Portanto, o árbitro fez o que lhe competia, caso contrário seria um erro em prejuízo claro do FC Porto."

Para além disso, o Tonel faz aquilo que se poderia chamar de "passe passivo". Quando Polga corta a bola, fá-lo na direcção de Tonel, e a meu vêr, fá-lo DELIBERADAMENTE por saber que estaria a tocar a bola para uma área de segurança, por sua vez, Tonel, abre as pernas e deixa seguir a bola DELIBERADAMENTE na direcção de Stojkovic. A meu ver, o livre foi bem assinalado, como referi no meu blog, o corte não foi in extremis, o Polga estava em situação de endossar a bola a um dos seus colegas no lado direito/central da defesa, n estando apenas em condições de a passar p trás. Assim o fez.

Caso estas situações fossem permitidas, bastava um defesa passar a bola para outro defesa, este último abrir as pernas e deixar segui-la em direcção ao guarda-redes para que este a agarrase com as mãos, visto que o último defesa a tocar na bola teria-lo feito com intenção de passar ao seu colega na defesa e não ao guarda-redes.

Assemanamané Rebocalhometozas disse...

isto do porto são uns mijões!!!
tiveram sorte do sporting ñ ter levado para as antas o colgate, pk se ñ eu kria ver a vossa vida, kria kria!!!