12 de março de 2009

Uma noite memorável

Nunca um empate foi tão celebrado, no Dragão, compreensivelmente satisfatório por ter carimbado o passaporte para os quartos-de-final. Num ambiente feérico, os intervenientes de azul e branco vestido estiveram fantásticos.

Helton - Sem acusar, aparentemente, a pressão mediática após o monumental falhanço em Madrid, resolveu a contendo todas as situações junto da sua área de intervenção. Não foi colocado muito à prova.

Sapunaru - Jogo estoico do romeno, acabando por ser substituído por claras debilidades físicas. Foi pelo seu lado que apareceram os mais perigosos jogadores do Atlético, nomeadamente Aguero. Perdeu alguns duelos, mas nunca virou a cara à luta, aparencendo regularmente em zonas de apoio ofensivo, conseguindo alguns cruzamentos para a área adversária. Afastou, esperemos que de vez, as dúvidas sobre a sua real valia. Mereceu os aplausos com que foi brindado.

Rolando - Portentoso. Imperial. E podíamos continuar por aqui fora, adjectivando a sua exibição. Sereno, não permitiu qualquer veleidade aos avançados dos colchoneros.

Bruno Alves - Patrão do sector defensivo, procurou sempre a felicidade, nos cantos e livres junto à área do opositor espanhol. Brutal no domínio do jogo aéreo, reivindicando para si a propriedade dos céus. Intransponível.

Cissokho - Com Sinama-Pongolle a criar-lhe alguns problemas, denotou alguma ingenuidade em vários lances, mas realizou uma exibição globalmente positiva. Raçudo a defender, sempre disposto a apoiar o ataque, dinamizou o flanco esquerdo. Cada vez mais incorporado na equipa, provando ser uma contratação acertada.

Fernando - Um verdadeiro monstro, na abordagem da partida. Parecendo um veterano de muitas batalhas, foi magnífico na luta do meio-campo, destruindo as tímidas iniciativas adversárias, revelando acerto no passe. A pressão alta, realizada na 2ª parte, teve-o como um dos esteios. Fantástica disponibilidade física ao longo de todo o jogo. Soberbo o remate, na 1ª parte, obrigando Leo Franco a brilhar.

Raul Meireles - O Sr. Sobriedade. Formou, com Lucho e Fernando, um tridente poderoso, dominando as operações na zona nevrálgica do terreno. Procurou zonas mais avançadas, testando o seu temível remate de meia-distância. Foi o parceiro perfeito de Fernando, tapando espaços, recuperando bolas, cortando iniciativas. Um dos melhores em campo.

Lucho - Com menor fulgor físico do que os seus colegas de posição, procurou ser a voz de comando habitual, neste regresso da competição mais elitista de clubes do velho continente. Nem sempre esclarecido, teve o seu grande momento na 2ª metade, ao ver o seu colega de Selecção, Leo Franco, a defender um remate notável, com selo de golo.

Rodriguez - A atravessar o melhor momento da temporada, foi um demónio à solta, dinamitando o lado esquerdo da defesa do Atlético. Produziu uma quantidade impressionante de jogo, revelando uma frescura física inesgotável. Cada vez mais preponderante na manobra ofensiva da equipa.

Lisandro - Depois de ter sido o carrasco dos madrilenos, manteve um duelo intenso e desfavorável com a baliza adversária. Denodado, no esforço sempre titânico com que aborda os 90 minutos de cada encontro, foi tremendo nas dificuldades que criou a uma defesa que usou e abusou da dureza excessiva. Infeliz, quando desmarcado primorosamente, rematou ao poste.

Hulk - Com a Europa inteira a começar a olhar para este brasileiro com olhos gulosos, destacado na site da própria UEFA, o jogador com alcunha de super-herói foi ele mesmo. Imparável no um-para-um, detonou por completo todas as jogadas em que interveio. Dono de uma capacidade fisíca quase sobrenatural, foi o protagonista de alguns dos melhores momentos do encontro, oferecendo alguns golos que, por manifesta infelicidade, não foram concretizados. Sentiu na pele o temor que provoca aos opositores, levando pancada atrás de pancada, perante a benevolência de um juiz manhoso.

Uma equipa com qualidade, potenciadas ao limite, capaz de honrar o emblema que orgulhosamente traja na camisola. Será, estou certo, um adversário temível para quem nos calhar em rifa, no sorteio do dia 20.

4 comentários:

Ultras FCP disse...

Cada dia que passa, eu mais me orgulho desta equipa do FC Porto, que apesar de passar por algumas fases menos boas, encontra-se actualmente com uma postura em campo mais madura, mais segura, com mais precisão, com jogadas construtivas e passes de bola excelentes, com uma visão de jogo extraordinária, muito organizada, é uma equipa feliz em campo sem dúvida dá gosto ver uma equipa assim a jogar.

http://ultrasfcportomatosinhos.blogspot.com

Bruno Pinto disse...

Podes crer, Paulo, que foi mesmo uma noite memorável. O FC Porto voltou a mostrar, tal como em Madrid e ao contrário do que disse o Assunção, que é superior colectivamente ao Atlético Madrid e passou com inteira justiça e total competência. Jesualdo conhece as potencialidades da equipa que concebeu como ninguém e notou-se também que estudou o adversário ao pormenor. É um treinador com método e isso é meio caminho andado. O outro meio é o desempenho dos jogadores que, como aqui descreveste, foi excelente em quase todos.

Fernando e Raúl Meireles foram, na minha opinião, os melhores jogadores em campo. Sapu e Cissokho foram os que me deram alguns calafrios. Helton teve pouco trabalho e não comprometeu. Os centrais estiveram atentos e seguros. Lucho esteve apagado mas a classe e liderança mantêm-se sempre. Do trio atacante, o melhor foi Rodríguez.

Calámos, mais uma vez, este país de invejosos e acéfalos, que se entretêm a tentar denegrir a nossa imagem, enquanto nós continuamos a ganhar e a trilhar um caminho de triunfos. Os campeões vêem-se dentro do relvado. Aí, os invejosos são fraquinhos e só envergonham o nome do país.

Para o sorteio, quero o Bayern Munique, temos umas contas a ajustar desde 1999-2000, quando fomos eliminados por eles com o dedo do miserável Hugh Dallas. Julgo que seria benéfico evitar, sobretudo, Manchester United, Barcelona e Liverpool. Villarreal e Arsenal não seriam maus. Chelsea seria um adversário muito complicado, mas não tanto quanto aqueles três. Dia 20 se saberá. De todo o modo, o trajecto europeu desta equipa, que teve uma remodelação significativa no plantel e atravessou momentos muito adversos nesta época, já é bastante meritório. Mas ambicionar sempre mais está nos nossos genes, não é mesmo?

Anónimo disse...

cajuda saíu do armário


aquando da vitória do 'benfica' em guimarães, na partida da primeira volta deste campeonato, correu nos 'mentideros' que no final do jogo manuel cajuda, o treinador vimaranense, se teria dirigido ao balneário do adversário tendo então exclamado:
- desta é que vamos ser campeões!

na altura calei-me porque achei pouco verosímil que tal tivesse, realmente, acontecido.
hoje já tenho dúvidas.
qual a razão para, na véspera de um jogo importante, se vir a público confessar uma paixão antiga pelo...oponente, mandando 'bicadas' aos seus colegas do 'porto' e do 'sporting'?...
não duvido do empenho que o técnico algarvio irá colocar em campo mas acho este tipo de declarações completamente inoportunas.
estúpidas e deslocadas, se considerarmos os alvos visados.
Do blogue ABoronha

AZUL DRAGÃO disse...

Paulo :

Análise ao nível da magnífica exibição do F.C.PORTO !


Um abraço