22 de março de 2009

Be afraid, be very afraid

"Agora tenham medo de nós", verbalizou no final da Taça da Liga o hondurenho Suazo, incapaz de controlar a alegria, depois da forjada vitória frente aos rivais da 2ª circular.

Descontando a habitual estupidez congénita inerente à bravata fátua [basta alguém ter perdido tempo a ver a miserável exibição dos encarnados para não levar o avançado a sério], a realidade até vem reforçar o aviso do jogador encarnado.

Tenham medo. Muito medo deste Benfica que vence de forma injusta. Que ganha depois de protagonizar um verdadeiro atentado à verdade desportiva. Que ergue o troféu depois de uma expulsão grotesca e de um penalty obscenamente concedido.

Se a isso juntarmos o habitual rosário de erros, favoráveis ao clube do Orelhas, e tivermos em linha de conta a última prestação de Cosme Machado no Dragão, no Porto-Naval, é caso para ficarmos preocupados.

Somos a melhor equipa portuguesa. A anos-luz dos restantes adversários. Mas bastará isso para este País de gente mesquinha nos deixar vencer?

2 comentários:

RCBC disse...

A corja vermelha é um espectáculo...3 títulos nos últimos 15 anos, todos eles roubados vergonhosamente!

A Outra Verdade disse...

Destaco as palavras do Reyes: "A verdade é que não interessa como ganhamos. De penálti, de canto, de falta, o importante é ganhar. Se foi (grande penalidade), se não foi, sinceramente não sei. Mas o importante é que ganhámos e há alegria no balneário". Mas... e o presidente do SLB como fica? Tem de retirar muito do que disse, e deixar de contestar as vitórias do FCP. Porque, pelos vistos, não interessa se há roubo, corrupção, etc., o que importa é ganhar. É miserável esta atitude, e é aqui que se vê a grandeza das pessoas e das instituições. Não me surpreende, vindo de onde e de quem vem. Se alguém ainda tinha algum respeito por essa instituição e acreditava que as tretas da verdade desportiva que por ali se papagueiam eram honestas, espero que abra os olhos.

Espero que estas situações – que de facto insistem em repetir-se, parafraseando o Paulo Bento e concordando em absoluto: "Afinal vale a pena rejeitar uns e pedir outros. Não sou desse filme. Sou feito de outra massa." – não se repitam no campeonato, para pelo menos o SCP ter hipótese de cumprir o seu papel.

Nunca me irei calar, pois basta ter 2 dedos de testa para ver o que se passa, há quem tenha fama e quem tenha proveito.