3 de julho de 2008

Silly Season

A Silly Season chegou. Como sempre, com data e hora marcada. Logo após o apito final do último jogo da Superliga, convidando ao descanso, a mente fervilhante de alguns começou a actuar. Compreende-se. Jornais diários exigem parangonas sensacionalistas, de quando em vez, como forma de captar a atenção do potencial comprador. É a lógica comercial a actuar. E, nesse aspecto, Portugal conta com jornalistas imaginativos.

A “cebolada” que o Porto deu à corja, resgatando do opróbrio o Cristian Rodriguez, não mereceu, por estranho que pareça, grandes títulos. Supunha-se que a contratação de um peso-pesado, a um dos pretensos rivais, colocasse a acção nas primeiras páginas, com os habituais artigos de opinião inflamados. Mas não. Os jornalistas de serviço provavelmente fizeram como o presidente portista. Só viram dois jogos da corja, na época que terminou, reparando provavelmente em Quim. Assim, compreende-se que a contratação tenha sido, de alguma forma desvalorizada.

Mas estas coisas de se escrever para um jornal diário, de cor vermelha, tem que se lhe diga. Não fosse a turba, habitual consumidora do que lá vem escrito, ficar depressiva, antes da época começar, a estratégia passou por criar uns paliativos. De um momento para o outro, já com o direito a letras garrafais, na capa, e fotografias de corpo inteiro, ficamos todos a saber que “Simão recusou o Porto”. Rejubilaram os adeptos encarnados. Nem tudo estava perdido. Rui Costa não serve apenas para passear os fatos da Boss, engenhosamente engomados. O ex-jogador, agora travestido e empossado de novas funções, ministrou novo rude golpe no clube do Dragão. Balboa “assinou pelo maior clube de Portugal” e, pasme-se, recusou inclusive um “convite do Porto” para vestir de azul e branco. Em 2 míseros dias, a honra do clube da capital foi reposta, sem apelo nem agravo. Já com cheirinho a goleada, a sempre atenta e profissional Direcção da corja conseguiu, in-extremis, evitar a saída de um júnior, cobiçado pelo maléfico clube da Invicta. Era o zénite.Os adeptos da instituição, ainda não refeitos das alegrias anteriores, suspiraram de alívio. A corja, aparentemente, está em boas mãos.

Nos próximos dias ficaremos todos a saber, em 1ª mão, que Aimar, Miccoli e afins recusaram, também eles, convites honrosos do Porto. Compreende-se. Qual é o gozo de jogar no tricampeão nacional? Ou de ouvir o hino da Champions, ao vivo e a cores? Viva a silly season, a única parte do ano onde o Benfica é o vencedor incontestado!

Platini continua a falar. E a dizer asneiras. É algo inato, em alguns. Nos franceses, faz parte dos genes, deixados pela cobiça imperialista de Napoleão. Moldou-os. Transformou-os em seres arrogantes. Dados a ares de superioridade. Platini corresponde na perfeição ao estereótipo. Do francês e do ex-futebolista. Sempre se achou, criando um dogma do facto, que a inteligência e a arte do pontapé na bola eram impossíveis de associar. Quase como um divórcio natural. Salvo raras e esparsas excepções, sempre foi assim. Raramente, aparece um espécime que, para além dos malabarismos naturais que consegue fazer com uma bola de couro, foi dotado, por obra e graça do Espírito Santo, com uns pozinhos de inteligência.

Platini não é, infelizmente para ele, um desses. E a mim custa-me a entender como é que o mais alto responsável da UEFA consegue, de forma ligeira, roçando a incontinência, declamar sempre que tem um microfone por perto, as suas vincadas ideias quanto a corrupção, envolvendo o nome do Porto. Não sei se por mero desconhecimento ou por notória má-fé, o ex-internacional gaulês continua a proclamar, alto e bom som, que os azuis e brancos deveriam ser afastados da mais elitista prova de clubes da Europa. A presunção de inocência, pelos vistos, é uma expressão fátua, despida de conteúdo, nos gabinetes da UEFA.

E isso chateia-me. Arrelia-me. Porque, nestas coisas, sou como os elefantes. Não esqueço. Lembro-me bem do gosto salgado das lágrimas que me decoraram a cara, numa longínqua noite de 1984, tinha eu 13 anos. O Porto, congeminado anos a fio pelo Mestre Pedroto, tinha atingido a sua maioridade europeia. A final de Basileia era, para todos nós que comungávamos aqueles ideias, apenas o ponto mais alto de uma bela epopeia. O esforço denodado, contra o Dínamo de Zagreb, com o golo que carimbou a passagem obtido aos 90 minutos. Ou a luta titânica, numa noite de intenso nevoeiro, em Aberdeen, onde emergiu um herói improvável, com um chapéu do meio-campo.

E essas lembranças, bonitas, representavam apenas o corolário lógico da ascensão de um clube ambicioso. Capaz de vencer todos os obstáculos. Ou quase todos. Na final de Basileia, o orgulho que cada portista sentiu, ao ver o azul e branco pintalgar o relvado de um palco de eleição, foi diametralmente oposto à raiva, ao choque e à indignação. Por causa de um homem. Adolf Prokop, árbitro da extinta RDA, foi o paladino dos italianos. E a glória, essa, ferida de morte, caiu direitinha nos braços dos jogadores da “vechia signora”.

Platini estava lá. Platini comemorou efusivamente. Paltini venceu, de forma maculada.Não foi caso único. Bastou apenas mais um ano. Uma volta ao calendário do tempo. Outro palco, outros protagonistas, outra história. O mesmo desfecho. Estádio do Heysel. Liverpool e Juventus. Na TV, o imenso absurdo, mostrado de forma crua, com os mortos e feridos a amontoarem-se, numa espécie de circo romano dos tempos modernos. Fazendo jus ao “the show must go on”, a bola rolou, pese o cheiro fétido a mortandade. E a Juventus ganhou. Platini ergueu novo troféu. Com um penalty. Marcado por si. A falta, efectuada fora da área, serviu de pretexto para uma espécie de justiça divina, penalizando o hooliganismo inglês. E assim paulatinamente, com erros atrás de erros, o mito nasceu. A aura de jogador emblemático, de mágico merecedor do Olimpo, foi criada. Jogando no clube mais corrupto d Europa. Com títulos obtidos mercê dos favores dos juízes de campo. E é este “avec” que nos tenta dar lições de moral?

ps - Tenta dar lições de moral, com o Porto a ver passar o navio. Primeiro estranha-se. Depois... volta a estranhar-se. Não me conformo. O combate é feito, também ele, com as armas do inimigo. Platini, há muito, que mereceria uma resposta contundente nas mesmas páginas por onde tem debitado a sua estupidez congénita. Mas não. Amordaçados à estratégia inicial, a SAD portista mantêm um mutismo ensurdecedor. Cada vez mais, difícil de entender…

ps2 - A credibilidade de Carolina Salgado, a alternadeira mais famosa deste País, foi arrasada pelo Juiz que presidiu ao processo de arquivamento do célebre "caso da fruta". As minudências jurídicas serão debatidas pelos experts mas, apesar de tudo, gostava de ver agora a cara de Ricardo Costa. Ele, auto-empossado guardião da moral e dos bons costumes do território luso, sustentou toda a sua argumentação, debatida em horário nobre nas TV's, na palavra de Carolina e no uso [indevido] das escutas telefónicas. E agora, espertalhão?

ps3 - artigo colocado originalmente no Bibó Porto , onde escrevo todas as quintas-feiras.

17 comentários:

dragao vila pouca disse...

Eu como estava de férias e tentei até ao limite não ir à Net, não apanhei essa do Simão, mas é de rir.
Sobre o Platini eu continuo a pensar que vai haver resposta no momente e hora certa, não nos podemos esquecer que isto ainda não acabou.
Amanhã pode ser um dia importante -reune o C.J. -, espero, embora os indícios não sejam animadores, que se faça justiça e o F.C.Porto e o seu Presidente sejam, definitivamente,absolvidos de toda esta história.Depois sim chegará a hora de o Platini ter a resposta.
Quanto à Carolina...aposto que ainda vai "escrever" um livro a contar o filme ao contrário.
Um abraço

Anónimo disse...

Paulo: não me parece sensato comprar uma guerra com o Platini envolvendo a Juvve q nada de mal nos fez neste caso.
É aguardar e depois decidir a opção a tomar com o avec, mas acho q ainda é cedo, ele no final vai engolir toda a merda q andou a vomitar até agora...
Amorim

Paulo Pereira disse...

Amorim,

Mas eu não falei de comprar nenhuma guerra com a Juve. Aliás, a Juve nada tem com isto. O k eu refiro é k o Porto pode, e deve, responder à letra ao Platini. Com ou sem referências ao seu passado, isso já será uma estratégia a adoptar pelo clube...

Abraço,

AZUL DRAGÃO disse...

Paulo :

Excelente !

Quanto ao senhor "avec" já manifestei o meu "apreço" por ele.

O F.C.PORTO vai responder-lhe dentro do campo , num qualquer estádio da Europa.

E , nessa altura , se o senhor "avec" ainda ocupar o cargo vai ter que nos entregar a Taça .

Queres melhor resposta ?

Anónimo disse...

Sexta-feira, 4 de Julho de 2008
E-MAIL ENVIADO AO BASTONÁRIO DR.MARINHO PINTO

De: Rui Valente
Data: 04-07-2008 15:26:33
Para: ordemnaordem@gmail.com
Assunto: Pedido de esclarecimento

Exmo. Sr. Dr. Marinho Pinto,

Muitos dos seus ilustres colegas de profissão classificam-no publicamente de demagôgo. Eu não concordo, nem lhes dou ouvidos. Não, por ter algum motivo concreto para acreditar em V. Exa. - só o conheço através dos media -, mas por duvidar bastante de muitos dos seus colegas. O que V. Exa. tem dito e escrito nada tem de demagógico para mim e por isso lhe louvo a frontalidade. Espero que prossiga assim. Pelo menos até ao fim do seu mandato como Bastonário da Ordem dos Advogados. Sem demagogia...

E, é falando em demagogia que me lembrei de lhe perguntar o que acha do Sr. Procurador Geral da República e da sua actuação em relação a esta autêntica caça às bruxas que foi lançada por alguns magistrados, com óbvias e públicas ligações ao Benfica, tanto na Liga de Clubes como no próprio Ministério Público. Estou completamente indignado! Como eu, milhares de portuenses e portistas, pode ter a certeza disso.

Lembrando-me de uma frase sua, quando um dia se referiu a alguns magistrados como pessoas demasiado arrogantes e prepotentes, associei-a logo a uma notícia publicada no JN de 01/07/2208, segundo a qual anunciava que uma norma da autoria do Sr. Procurador Geral da República obrigava o Ministério Público a recorrer das decisões desfavoráveis às teses da equipa de Maria José Morgado.

Ora, mesmo um leigo como eu em matéria de direito civil, depreende que a referida norma do Sr. Procurador está, à priori, a condicionar a decisão do TIC, que, como deve ser do conhecimento de V. Exa. mandou arquivar o processo que acusava Pinto da Costa de corrupção desportiva por falta de provas e por declarações falsas da sua ex-companheira. Aqui atrás, disse "condicionar", mas o que me parece mais apropriado dizer, é: que essa norma do Sr. Procurador está mesmo determinada a orientar o sentido da decisão final.

Se V. Exa. não me conseguir provar que estou enganado, isso é realmente muito grave, e nesse caso, podemos ter a certeza que o país e a Justiça estão muito pior do que V. Exa. tem afirmado.

Com os melhores cumprimentos, subscrevo-me
Respeitosamente,

Rui Valente

Tirado do Blog RENOVAROPORTO

Portuense-Portista disse...

Essa do Simão, do Balboa e do Carvalhas é provavelmente das poucas formas que eles têm de nos vencer. Muito provavelmente é mentira, eu pessoalmente não me acredito, mas só isso já os deixa feliz, o que é patético.

Urreta vai chegar e dizer o mesmo. Codina se chegar a ser apresentado o mesmo dirá. Venha quem vier vai sempre dizer que preferiu o Benfica... E com toda a razão, porque tal como tu disseste, que valor tem a champions? Que valor tem ser campeão já assegurado?
Nada para os jogadores do Benfica pelos vistos. Deve ser uma questão de mentalidades.
Há pessoas que se contentam com pouco.

dragão disse...

Pensei ser interessante pedir a Jean Marc que acompanha o Saint-Etienne, não só nos estádios como também nos blogs e forúns do Sainté, o que pensa de Freddy Guarín.

Pensei ser interessante pedir tal informação porque me parece importante ter, “em directo”, para a família Portista, a estória e a vivência, antes que os jornalistas desportivos, procurando o vídeo e o sensacional, se debrucem sobre o jogador, de Guarín vista por quem gosta de futebol e que, por isso, vai aos estádios.

Oba, oba, Portomaravilha, mais um esforço e, em breve, és Prémio Nobel das vírgulas!

tiago araújo disse...

FO:::er OS DE LÀ DE CIMA.
MAIS TARDE OS LAMPIÔES DIZIAM JÀ
VAMOS A TAÇA DOS CAMPEÔES VIVA VIVA.

PORTO SEMPRE VIVA O PORTO

tiago araújo disse...

eu mudei o endereço do meu blogue, o nome é Campeões F.C.Porto, mas agora o novo endereço é:

http://www.campeoesfcporto.blogspot.com

Caro amigo Paulo Pereira mude por favor o endereço
Abraços

Dragaoatento disse...

Viva Paulo!

A fim de moderar comentários,agradeço o favor de informares-me se é possível e como se faz,para eliminar um comentário publicado e posteriormente inddesejado? Obrigado.

Abraço

Dragaoatento disse...

Olá!

22:08 - Futebol - FPF
José Manuel Meirim diz que “silêncio” da FPF pode validar as decisões do CJ
O “silêncio” da Federação Portuguesa de Futebol sobre as decisões do Conselho de Justiça (CJ) pode, implicitamente, validá-las, sustentou hoje à Agência Lusa José Manuel Meirim, especialista em direito do desporto. A Direcção da FPF convocou para amanhã uma reunião extraordinária para analisar os factos e documentos que resultaram da conturbada reunião de sexta-feira do CJ, mas, segundo disse fonte próxima do processo à Lusa, não vai pronunciar-se sobre a validade jurídica das decisões. “Sendo consensual que o Presidente da FPF e a sua Direcção são dois órgãos administrativos, com o poder de declarar alguma das nulidades invocadas, não o fazendo, estão a pronunciar-se sobre a validade jurídica das decisões tomadas. Se não as declaram nulas é porque entendem que não são nulas”, explicou Meirim, citando o artigo 134º do Código do Procedimento Administrativo (CPA). Para o perito em direito do desporto, “analisar a forma como decorreu a reunião, não se pronunciando sobre a validade jurídica das decisões tomadas é, no mínimo, um eufemismo, se não mesmo uma falácia”. O artigo 134º do CPA estipula que “a nulidade é invocável a todo o tempo, por qualquer interessado, e pode ser declarada, também a todo o tempo, por qualquer órgão administrativo ou por qualquer tribunal”, não havendo assim um prazo limite para o líder federativo, Gilberto Madail, ou a sua Direcção se pronunciarem sobre o assunto. Na madrugada de sábado, cinco membros do CJ confirmaram as penas de descida de divisão do Boavista, por coacção sobre árbitros, e de suspensão de dois anos do presidente do FC Porto, Pinto da Costa, por tentativa de corrupção, decretadas em primeira instância pela Comissão Disciplinar da Liga de clubes, no âmbito do processo Apito Final. No entanto, o presidente do CJ, António Gonçalves Pereira, tinha dado por encerrado o encontro cerca das 18 horas de sexta-feira, após contestação de vários conselheiros ao despacho de impedimento por si exarado, que visava impossibilitar a participação do vogal João Abreu nos recursos de Pinto da Costa. Gonçalves Pereira alegou que as decisões proferidas pelos cinco membros do CJ carecem de fundamento legal, enquanto João Abreu o acusou de coagir os membros do órgão de justiça federativo no sentido de obter uma decisão favorável a Pinto da Costa e ao Boavista.

Dragaoatento disse...

Olá Paulo!

Muito obrigado pela tua informação.
E desculpa lá o incomodo.
Se não fosse tão distraído já teria notado a existência do (ditocujo) cx. do lixo.

Abraço

PS - ...percebido para que efeito...!Ó Paulo a esta hora deves estar a dizer : haja pachorra!

Dragaoatento disse...

Olá a todos!

Convido os meus amigos para darem um alto ao dragaoatento.Pelo meio algo para rir...!

Abraço

Dragaoatento disse...

O momento é grave e de grande apreensão para nós! Grandes movimentações nos orgão de decisão deste país para atrofiar o Dragão!

Entretanto...

FC Porto no comité da Associação Europeia de Clubes(ECA)

Congratulo-me, exulto com mais esta honra absolutamente merecida, que foi concedida ao FC Porto, sinal do enorme prestígio internacional grangeado no mundo do futebol pelo nosso grande clube através dos muitos troféus conquistados.

O FC Porto foi eleito em Nyon para o comité executivo da Associação Europeia de Clubes (ECA), ficando representado naquele organismo de 11 elementos por Fernando Gomes, administrador da SAD azul e branca.O campeão nacional surge a par de Bayern, Liverpool, Lyon, Real Madrid, Rangers, Anderlecht, Rosenborg, Dínamo Zagreb, Inter e Maccabi Haifa no primeiro "board" da ECA, que reúne actualmente 103 clubes da Europa.


PS - Não obstante a decisão dos tribunais ser-nos favorável, cada vez me convenço mais, atendendo ás movimentações (artigos de opinião/declarações na televisão de certos agentes) que observo na Comunicação Social, que existe uma monstruosa conspiração para prejudicar o FC Porto na secretaria!

PS 1 - Gente responsável deste país prepara-se para condenar o FC Porto e o seu Presidente, baseada em falsas afirmações e campanhas orquestradas de gente sem escrupulos afecta ao SLB, mas que é ouvida e pelos vistos consegue influênciar os orgãos de decisão deste país!
O que a uns é permitido mesmo sendo ilegal, a outros é recusado apesar de legal.

PS 2 - Guilherme Aguiar"Decisões do CJ são ilegais"
"A decisão da Federação agrada a gregos e troianos. Na minha opinião, não havia fundamento para os membros do Conselho de Justiça fazerem nova reunião sem convocatória. Não se compreende como se continua uma reunião à revelia do presidente, que já tinha dado os trabalhos por terminados. Há aqui irregularidades inaceitáveis. Até prova do contrário, as decisões saídas desta reunião são, para mim, ilegais."

Dragaoatento disse...

Publicao no JN
Providências cautelares suspendem decisões da Federação
00h27m
Manuel Luís Mendes e Vítor Santos

As providências cautelares que Boavista e Pinto da Costa vão apresentar nos tribunais administrativos têm efeitos suspensivos. A pantera ainda não desceu, pois as decisões ficam congeladas. A bola salta para os tribunais.
Hermínio Loureiro, presidente da Liga de Clubes, disse, ontem, no sorteio da edição 2008/09 da Liga, que começou uma nova era no futebol português, mas a realidade é que se repete o imbróglio de há duas temporadas, então devido ao Caso Mateus. Desta vez, Boavista e Paços de Ferreira esgrimem por um lugar no principal campeonato.

Em rota de colisão com a Liga de Clubes, a F. C. Porto, SAD não esteve presente no sorteio.

A turbulência mantém-se, no arranque de mais uma época...

pássaro azul disse...

"O FC Porto foi eleito, em Nyon, Suíça, para o comité executivo da Associação Europeia de Clubes (ECA), ficando representado, naquele organismo de 11 elementos, por Fernando Gomes, administrador da SAD azul e branca, foi anunciado, esta segunda-feira."

Dragaoatento disse...

Viva Paulo!

Segundo o Jornal 24 Horas d'hoje, quem vai decidir o resultado da guerra Benfica x FC Porto é a Liga Portuguesa de Futebol Profissional, entenda-se Hermínio Loureiro um sportinguista pró-SLB.
Nesta situação não é difícil adivinhar o sentido de voto do actual presidente da Liga de Clubes.

Após a reunião do Conselho de Justiça ameaçar acabar em discórdia e tumulto, devido ao facto do Presidente do C.J. no uso das suas competências, determinar o impedimento do vogal João Carrajola de Abreu, situação que não foi aceite pelo "ditocujo" e pelo seu amigo Álvaro Batista, o Presidente do C.J. da FPF Gonçalves Pereira, na eminência da reunião descambar em batalha campal, deu-a como encerrada, tencionando convocar uma outra para um outro dia com os ânimos mais calmos.
Mas eis que já depois do Presidente e Vice-Presidente se terem ausentado, cinco dos vogais do elenco do CJ resolveram arvorar-se em revolucionários, saltar sobre tudo e todos, e, ali mesmo estabelecer novas regras, determinando o que muito bem lhes apeteceu deliberar.

É evidente que uma situação destas se não fosse do interesse do Benfica já teria sido desmontada e resolvida com a punição dos ditos culpados vogais aventureiros. Porem tal não aconteceu nem vai acontecer porque os dirigentes encarnados, mais a totalidade dos seus apaniguados, parte interessadíssima no processo não o permite e propõe-se mesmo apoiar os tresmalhados vogais.

Conclusão : não é uma questão de ter ou não razão, de se fazer ou não justiça. Nem sequer de verdade desportiva. Mas de número de apoiantes, e, o SLB sabe que tem a maioria.
O problema é que o SLB precisa de receber os milhões da UEFA para ajudar a melhorar a qualidade do seu plantel, mas para isso tem forçosamente de conseguir participar na Champions a fim de receber esses respectivos milhões de euros, nem que para isso tenha de atropelar tudo e todos.

Tenho porém esperança que o Tribunal Administrativo Português, ou até o TAS, consigam impôr ordem nisto, e, injectar espírito de justiça na resolução deste intrincado processo, de modo a finalmente prevalecer o espírito e a ética desportiva, o tão propalado fairplay, que tão ausente tem andado das nossas praças.