29 de março de 2008

Quem fala assim....

Um breve "cheirinho" da entrevista de Jesualdo Ferreira ao Jogo, hoje. Acutilante, sagaz e inteligente na forma como aborda os temas, mesmo os mais controversos, o treinador portista revela cada vez mais o prazer que lhe dá treinar os tri-campeões nacionais, tendo inclusivé alojado a cor azul e branca no coração. Mister, que fala assim merece o meu apreço...

Paulo Bento afirmou que na base do sucesso do FC Porto está a regularidade, competência, organização e hábito de ganhar. Que comentário lhe merecem estas declarações do treinador do Sporting?
São declarações que revelam a opinião de um treinador de uma equipa grande de Portugal, que conseguiu entender o FC Porto. É um motivo de satisfação saber que os nossos colegas de trabalho reconhecem as qualidades das nossas equipas - sobretudo quando, muitas vezes, não é isso que acontece com a comunicação social nem com outros agentes do futebol - e, no caso do Paulo Bento, essas afirmações têm uma importância acrescida, porque foram proferidas por um treinador de uma equipa que é adversária directa do FC Porto.

Já não é a primeira vez que ouvimos treinadores de equipas rivais do FC Porto, sobretudo depois de saírem dos seus clubes, fazerem este tipo de afirmações. Pensa que é por aí que o FC Porto marca a diferença no futebol português?
Esta é a segunda época em que estou no FC Porto e já deu para perceber que há coisas diferentes no clube, que nos ajudam a ganhar. Esta época, parece que as pessoas estão muito zangadas, pois consideram que a Liga não é competitiva. A determinada altura até pensamos que tínhamos de perder alguns jogos para isto ficar mais competitivo... Por vezes, parece que interessante foi o campeonato de há quatro anos, quando o Benfica se sagrou campeão. Mas gostava de recordar que o FC Porto está em primeiro porque ganhou os seus jogos, porque perdeu poucos pontos e porque os adversários perderam mais pontos. O problema não é da Liga, mas sim dos seus competidores e da forma como se tem de competir. Às vezes, dá a sensação de que ganhar no FC Porto não vale nada nem tem valor sob o ponto de vista das competências das pessoas que aqui trabalham. Ora, essa análise do Paulo Bento parece-me bem definidora daquilo que é a ideia de quem é profissional e de quem entende estas coisas nas perspectivas profissionais em que trabalhamos.

Mas esperava, no início da temporada, que os adversários directos perdessem tantos pontos?
A questão aqui é simples. Todos vão jogar contra todos. No ano passado, por exemplo, houve uma altura em que o FC Porto não conquistou tantos pontos e o Sporting aproximou-se na classificação. Nesse momento, a boa carreira que estávamos a fazer acabou por ser colocada de parte. De um momento para o outro, a melhor equipa do campeonato já era o Sporting. Penso que, esta temporada, isso já não poderá acontecer - e espero que não aconteça -, mas acredito sinceramente que não vão valorizar aquilo que foi a carreira do FC Porto, que, essas pessoas, vão tentar arranjar alguma coisa que nos coloque em baixo. E fazer isso é revelador de uma enorme falta de rigor profissional.

De que forma o plantel, assim como o seu treinador, recebeu a notícia de que o presidente do clube iria ter de responder em tribunal por um processo relacionado com eventual corrupção desportiva?
O plantel do FC Porto tem um posicionamento muito claro relativamente ao clube: são apenas jogadores de futebol, contratados para fazer um bom trabalho e ganhar. Agora, não sei se o presidente do FC Porto está a ser julgado pelos 44 títulos que conquistou… Quanto ao resto, são assuntos que não nos dizem respeito.

Como encontrou os jogadores que vieram das selecções nacionais?
Fisicamente, algo desgastados em determinados casos. Do ponto de vista anímico, também há uns melhores do que outros, como é normal, porque é sempre mais reconfortante ganhar. Mas, a partir do momento em que regressam ao FC Porto, voltam a concentrar-se apenas nos objectivos da equipa.

Tem a mesma opinião de Pinto da Costa sobre Lisandro, quando referiu que, para jogar apenas quatro minutos, mais valia o avançado não ter ido?
Considero que foi importante ter ido. Estar numa selecção, nomeadamente na argentina, é sempre um marco importante para qualquer jogador. Agora, estou de acordo que, depois de ter viajado tantos horas e com tantas expectativas, os quatro minutos foram pouco, sobretudo para a qualidade do jogador e para aquilo que ele podia ter emprestado à selecção argentina. Por isso, estou de acordo com o meu presidente, apesar de respeitar a decisão do seleccionador argentino.

Este caso reporta-se a um jogo da época 2003/04, numa altura em que Jesualdo Ferreira nunca tinha trabalhado no FC Porto. Sentiu, de alguma forma, durante todos esses anos, que o clube era beneficiado pelas arbitragens?
Não. O que eu sentia era que o FC Porto era diferente dos outros e que ganhava mais vezes, para não dizer sempre, durante mais de 25 anos. Não reconhecer a competência das pessoas que trabalham aqui seria, no mínimo, uma demonstração de grande falta de rigor e honestidade intelectual, porque não se pode julgar a qualidade de uma pessoa que se prepara para conquistar o 45.º título no futebol. Agora, se é para analisar outras coisas, não sou juiz, nem advogado, nem quero ser; também não conheço os processos, nem quero conhecer. Sobre isso, não me pronuncio.

Saídas (ainda) não preocupam
Bosingwa tinha declarado, na véspera, a intenção de abandonar o FC Porto no final da temporada, sendo apenas um dos muitos nomes que circulam por essa Europa fora. Jesualdo Ferreira explicou ontem o que sente quando ouve falar de uma possível debandada. "Até ao final da época, e esperamos que seja a 18 de Maio [final da Taça de Portugal], esses assuntos não nos preocupam. As declarações dos jogadores, que são livres de dizer o que sentem, são entendidas, por nós, no contexto em que são dadas. Neste momento, estamos concentrados apenas no campeonato e na Taça".

3 comentários:

jorge leitão disse...

VEREDICTO: FCPORTO CULPADO. Tambem assumo que o FCPorto é único culpado por a Liga portuguesa não ser competitiva!!

dragao vila pouca disse...

Já o escrevi no meu post: parece que o "mestre" finalmente percebeu a filosofia e a cultura do F.C.P.
Esteve muito bem.
Um abraço

Anónimo disse...

PORTUGAL - Liga Portuguesa de Futebol Profissional, 2003
1. Benfica - 4,1 milhões (38,8%)
2. Porto - 2,6 milhões (24,4%)
3. Sporting - 2,1 milhões (20,2%)

Afinal os 6 milhões deadeptos è mais uma "MENTIRA" dos centralistas.

è só consultar o site FUTEBOLFINANCE.com