28 de novembro de 2007

Foi para isto que sai mais cedo?


Respiras fundo e avanças. Sais mais cedo do trabalho. Sabes que isso atrairá o olhar de soslaio dos teus colegas, sabedores que a hora de isenção, que te conferem mais uns euros no final do mês, não está a ser cumprida. Mesmo assim, semi-envergonhado, arrumas a tua secretária e avanças. Destemido, sentindo os olhares alheios a pousarem na tua nuca e os comentários mordazes prontos a soltarem-se, mal a porta se feche.

Alheias-te disso. Sabes que o tempo é precioso. Urge. Tentas controlar a ansiedade. És dono do teu destino. Arrancas em velocidade, cronometrando mentalmente o tempo. Paragem número 1, em casa da mãe. Recolha de comida, para o jantar. Paragem número 2, no infantário. Recolha de dois rebentos, já em adiantado estado de cansaço. Arrancas novamente, com mais velocidade do que a aconselhada. Sabes que tens um longo caminho a percorrer.

Sentes a boca seca, a ansiedade a aumentar de nível. Murmuras uns ensinamentos budistas, copiados algures num qualquer anónimo livro de auto-ajuda. Dás banho a um, num equilibrio periclitante entre o papel de pai extremoso e líder de casa autoritário. Suportas as birras, os choros, as asneiras. Tudo num frenesim caótico, mas equilibrado.

Concedes a ti mesmo um minuto, para respirar. Começas tudo de novo. Banho ao outro e tudo repetido. Parece um dejá-vu. Avanças para o próximo nível. O jantar. Corrida para um lado, corrida para outro, jantares na mesa e o gongo da salvação. A chegada da esposa.

Soltas as últimas recomendações. Ninguém te liga. A casa uma cacofonia de sons, numa estranha mistura de ritmos, com o pontuar agudo de nova birra, a elevar-se no ar. Foges para longe.

Sais para a noite. Novo arranque no carro. Noite de Champions é noite de jantarada. Chegada a casa dos amigos, com o cansaço a ameaçar vencer-te. Resistes estoicamente.

Adoras aqueles minutos que antecedem o apito inicial. As conversas fúteis, os risos soltos, o scoth com gelo, tilintando no copo. E os nervos. A ansiedade. A excitação. É isto a Champions. É por isto que se luta. Que se sai mais cedo.

90 minutos depois começo a mudar de opinião. Foi por isto que enfrentei uma série de tarefas hercúleas? A derrota, por números expressivos e pesados, tem o efeito de um balão furado. O ar a esvair-se é quase palpável. A adrenalina desaparece, deixando um corpo à beira da exaustão. O excesso de alcool não ajuda à recuperação. Resta o caminho de regresso, encetado como um autómato. A chegada a casa. A pergunta inocente da esposa, enrolada no sofá vendo TV. "Quanto ficou?". E mordes a língua, sustendo a imprecação que poderia provocar uma crise amorosa. Respondes de forma quase inaudível, aguentando a surpresa de volta, as perguntas tolas. E anseias pela cama...

Detesto escrever de cabeça quente. Detesto perder. Detesto ser goleado. E isso tudo misturado torna-me numa má companhia. Poderia escrever sobre muita coisa. Sobre a forma incompreensível como se sofrem 3 golos em 12 minutos, deitando a perder o trabalho dos outros 78. Sobre a aposta, novamente, em Marek Cech. Ou o fetiche em que se transformou a utlização de Mariano Gonzalez.

Ainda teria tempo, se quisesse, de questionar a opção pelo sérvio em detrimento de Pedro Emanuel. Poderia, mas não o faço. Claramente, sou eu que não percebo nada disto. Sou eu que continuo, apesar dos anos a fio de idolatria, a não saber ler o jogo. Mentalizo-me disso. Mas a dor não passa...

ps: Dão-me agora a notícia, no messenger, que o Porto bateu o Trofense, na Liga Intercalar, por 3-1. IUPIIIIIIIII.Mal aguento a emoção...

6 comentários:

joao ribeiro disse...

Ehehehe! Maldito Stepanov!!! O homem adora dar penalties de graça. Enfim, nada está perdido, até porque, neste momento, o Besiktas está fora das competições europeias. Se ganharmos aos turcos, ficamos em primeiro lugar do grupo. Mas que sirva de lição ao professor: o Stepanov não tem qualidade para jogar no Porto, neste momento. Talvez venha a ser um bom jogador, mas neste momento não o é.

puff disse...

UMA VERGONHA!!!!!!!!!!!!
É UMA MERDA ESSE TAL DE jesualdo, É O ÚNICO E SÓ CULPADO PELA DERROTA DE HOJE.

TENHAM TOMATES E DESPEÇAM-NO.... POR FAVOR, CHEGA DE INCOMPETÊNCIA E BURRICE!!!!!!!!!!!!

ESTOU PROFUNDAMENTE IRRITADO, ENQUANTO ESSE MERDAS "jesualdo" TIVER À FRENTE DOS DESTINOS DO FC PORTO NÃO ASSISTIREI A MAIS NENHUM JOGO, TOU FARTO DE TANTA CEGUEIRA.

SAUDAÇÕES PORTISTAS

miguelmor disse...

Primeira meia hora muito má!A defesa entrou no espírito natalício e começou a dar brindes atrás de brindes. De repente, marcamos um golo caído do céu e tudo muda!Até o Kaz e o Mariano parecem mais confiantes. Se continuarmos a trocar a bola como trocámos nestes últimos 15m e deixarmos de oferecer prendas acredito mesmo que saíremos de Anfield com um bom resultado.

lucho disse...

A DERROTA foi má mas o texto do Paulo Pereira ESTÁ soberbo.

E quanto ao q dizes Paulo:

Mesmo nestes maus momentos todos os sacrificios q fazemos pelo clube valem a pena.

AZUL DRAGÃO disse...

Paulo :

Sábado (espero )tudo isso te vai passar e ficas bem outra vez !


Até lá...AGUENTA - TE !
(eu estou a tentar o mesmo)

AZUL DRAGÃO disse...

Paulo :

Sábado (assim o espero) tudo isso te passará.

Até lá ... aguenta-te !
(melhores dias virão)