31 de agosto de 2007

A saída de Jorginho


Foi-se! Diria que felizmente, mas também isso seria de certa forma injusta para o brasileiro Jorginho. Não me deixa saudades, pois nunca conseguiu impor-se na equipa, nem trazer-lhe a qualidade acrescida que se espera de um jogador que envergue aquela camisola venerada. Culpa dele, culpa dos seucessivos treinadores, culpa de alguém, mas isso agora não interessa. Como a qualquer jogador que defenda as cores que amo, só lhe posso desejar boa sorte e, fundamentalmente, agradecer-lhe o rasgo de génio que lhe permitiu a obtenção de um fabuloso golo, em Alvalade, desiquilibrando o campeonato para o Porto de Adriaanse.

Contudo, nem é por isso que perco tempo a escrever. Fiquei abespinhado pela saída de Jorginho. Não, como já disse, pela qualidade que tenha demonstrado, mas pelo destino do jogador. Irritou-me, melindrou-me, fez-me soltar uma torrente de palavrões, quando tomei conhecimento de que o destino do brasileiro era a cidade dos arcenbispos. Não se infira, pelas palavras anteriores, que nutro algum ódio visceral por Braga. Não se trata disso. Mas o facto de saber que os dirigentes portistas se sentaram a uma mesa com os seus homólogos bracarenses, causou-me náuseas...

Quantos jogadores foi o Porto buscar Braga, desde que António Salvador é o presidente dos minhotos? Quantas vezes foi noticiado pela imprensa, habitualmente sabedora das movimentações de mercado, que os Dragões estavam interessados nos atletas A, B ou C? Várias. E isso é que me irrita. Porque sempre que o FCP se mostra interessado em algum jogador do plantel arsenalista, logo surgem mil e um entraves, com as negociações a sairem goradas, por um ou outro motivo. Andres Madrid, estão lembrados? O namoro portista, nunca camuflado, esbarrou sempre na intransigência local, que pedia montantes absurdos pelo atleta. 5 milhões foi o valor propagandeado na comunicação social, pelo mesmo atleta que António Salvador tentou vender, depois, aos gregos do Panathinaikos, por...2 milhões.

É esta memória curta, este "esquecimento" da SAD do Porto que me provoca confusão. Compare-se a atitude de Salvador, sempre que os "amiguinhos" do sul se mostram interessados em algum dos seus jogadores. As negociações são praticamente seladas na hora, por valores considerados normais para o futebol luso, conseguindo o Benfica reforçar, sistematicamente, o seu plantel, à custa do Braga, que tem funcionado como uma espécie de coutada particular do Orelhas. E na SAD portista não existe ninguém que ponha ordem nesta situação?

Não nos vendem jogadores, também não levavam daqui ninguém. Ou acham que esta negociação fará alguma diferença no futuro? Santa ingenuidade...

3 comentários:

paulo grave disse...

Dasse...tu não perdoas uma:)
Por mim, fico já feliz por ele se ter posto ao fresco. Menos um a mamar na teta. E o Salvador também não será muito inteligente, pois faz um contrato de 4 anos a um jogador que já tem 30.
É deixá-ir!

bruno sousa disse...

Compreendo a tua revolta, mas o melhor correctivo ao Braga é aquele que já foi aplicado, pelo Quaresma, e por duas vezes:)
Lá dentro é que elas lhes mordem...

Agora, que o Jorginho seja feliz, mas fico contente com a saída dele.

Francisco disse...

É preciso plantar para colher?
Dito de outra forma é preciso investir numa equipa a seguir aos 3 grandes para de futuro ir lá buscar alguém mais fácilmente.