23 de agosto de 2007

Entras na "geração mudasti"?


Domingo, frente ao Sporting, Postiga poderá muito bem ter a sua última chance, de Dragão ao peito. Uma conjugação favorável ao jogador terá, para já, impedido a sua venda ou empréstimo. À lesão de Ernesto Farías, uma das grandes apostas do Porto para esta época, juntou-se a do melhor marcador portista na época transacta, no jogo frente ao Braga. Com Renteria emprestado, Edgar provavelmente demasiado "verde" para um jogo deste calibre e Lisandro sem rotina de posição, a escolha de Scolari para titular frente à Arménia vai ter mais uma oportunidade para convencer Jesualdo da sua utilidade num plantel de campeões. Não é situação virgem no plantel do bicampeão, pois Adriano teve, em Dezembro último, as malas feitas e o destino escolhido. A teimosia arreigada numa confiança extrema em si mesmo fizeram com que, descartado o empréstimo, o brasileiro renascesse das cinzas, qual fénix, para assumir a responsabilidade da finalização no ataque dos azuis e brancos.

Custa-me ver Postiga numa situação tão periclitante. O jovem nado e criado no clube tem um potencial que provoca inveja em muitos dos seus colegas de profissão. Não será por isso que é colocado em xeque. Técnica acima da média, uma maneira de tratar a bola que roça o carinho, amaciando o couro tratado, em afagos suaves, como se travasse com ela um diálogo amoroso. Mas, se o futebol fosse só isso, aqueles míudos de rua, que num qualquer lugar perto de si se perdem em diabruras próprias da idade, chutando bolas de trapos, criando fintas e reviengas que pasmam quem os vê, eram os futebolistas do futuro. Mas não são. Ser jogador de futebol não é saber chutar em direcção a uma baliza. Para chegar ao topo, é necessário mais do que malabarismos circenses. É necessário trabalho, entrega, sabendo que o sucesso anda de mão dada com eles. Postiga sempre pensou que não. Que lhe bastava entrar em campo, marcar um golo de vez em quando, para as bancadas se curvarem reverencialmente.

Um dia, ele estranhou. De onde vinham palmas, incentivos e gritos de júbilo, começaram a chegar, com maior frequência, apupos e raivosos insultos. Postiga, pelos vistos, julgou que não eram para ele. Afinal, o que aqueles tipos, que viam os jogos das bancadas, podiam perceber de futebol? Ele não marcava golos? E isso não chegava? Com estes pensamentos reconfortantes, Postiga continuou na sua curva exibicional descendente. Só ele é que não se apercebia. Até um dia em que se sentou no banco. E depois disso, fora dele, vendo o jogo junto daqueles tipos, nas bancadas, que nada percebiam de futebol. A porta de saída foi escancarada. A guia de marcha carimbada. Mas, como em todos os contos de fadas, o autor da história teve pena de um final infeliz. É que, não sei se já vos disse, mas eu gosto de Postiga. E, como eu, muitos outros. Assim, nesse conto de fadas em que tudo pode acontecer, Postiga teve (mais) uma oportunidade.

Provando que, possivelmente, aprendeu a lição, Postiga jogou. Postiga correu. Postiga lutou. Postiga contribuiu, com o seu esforço, para a vitória do Porto em Braga. Será desta, Helder, que entras na "geração mudasti"?

7 comentários:

GM disse...

Sempre disse e continuo a dizer que Postiga tem a capacidade para ser o melhor ponta-de-lanca portugues dos ultimos anos. Capacidade tecnica muito acima da media, capacidade de remate com ambos os pes, bom jogo de cabeca e forca. Pena que o cerebro n acompanhe o resto do corpo... Abraco

ricardo disse...

É como dizes. Uma conjugação única de factores salvou, para já, a "cabeça" de Postiga. Ele que tenha consciência que será, provavelmente, a última grande oportunidade de se safar. E quem me dera que ele faça o papel de heróis, no Domingo. Estamos a dever umas aos lagartos:)

Anónimo disse...

Quer-me parecer que não vão muito longe, frente aos lagartos, se Postiga repetir a exibição de ontem, frente à Arménia. Uma lástima...

Jorge Ribeiro disse...

Tenho sérias dúvidas. Sérias mesmo que ele possa fazer algo de útil. O que é engraçado, e como tu referes, é que o Postiga, quando se viu na corda bamba, correu!!!! E muito. Em Braga, Postiga jogou como deveria jogar sempre. Sem lapsos temporais, que o colocam apático durante grande parte dos 90 minutos.

Abraço,

ANDRÉ SOUSA disse...

O Postiga e um ponta de lança com caracteristicas unicas...axu k e uma ma opçao vende-lo, primeiro devido as lesoes que o porto enfrenta na frente de ataque, segundo porque nao ha mais nenhum avançado no plantel do porto kom as caracteristicas do postiga que sao perfeitas num eskema de dois avançados...

patricia arantes disse...

Acho injustas muitas das críticas feitas a Postiga. É um grande ponta de lança, merecendo a confiança de Scolari e tem muito para dar ao Porto. Se o clube quiser...e deixar. Ou alguém de bom senso acha que Edgar merece ficar no plantel e Postiga não?

Bruno Pinto disse...

Paulo, como sabes sou favorável à permanência de Postiga no plantel portista. A sair, só vendido por uma boa verba (4 milhões?) e nunca, mas nunca emprestado, porque um jogador como ele não se empresta. É com agrado que vejo o rumo dos acontecimentos sobre este caso. Se se repetir o que sucedeu na época passada, em que esteve quase a sair e depois foi o melhor marcador da 1ª volta da liga, todos ficámos a ganhar. Força Hélder Postiga!

Abraço Paulo