28 de julho de 2007

Matemática pura

Depois de termos sido bombardeados, nesta fase da época, com os chavões de sempre, por parte do Orelhas, lá aparece a venda de Simão para desacreditar, mais uma vez, o incontinente presidente benfiquista. Desacreditar? Hummmm...talvez não, a fazer fé em alguns artigos de opinião, escritos com a costumeira submissão por parte das caixas de ressonância que existem em alguns jornais (vide o caso de José Manuel Delgado), que se limitam a debitar, ao bom estilo do papagaio amestrado, a opinião que é soprada de outras instâncias. Assim, ficam desde já prevenidos que, nos próximos dias, seremos submersos por artigos de opinião, que tecerão as loas à sagacidade do Orelhas, ao seu implacável jeito de negociar, etc, etc, etc...

Mas, dado que neste País ainda alguns - muitos até - gostam de pensar por si próprios, não se deixando ludibriar por manhosos vendedores da banha da cobra, importa fazer aqui um rewind - ou como diria uma personagem de um reality show, um rewind para trás - procurando recordar alguns dos ditos do Orelhas:

"Simão não sai por menos de 25 milhões!"
"Quem entra em estágio, não sai!"
"Benfica não está vendedor, só comprador!"
"Só saem jogadores do Benfica se alguém pagar a clausula de rescisão!"

E mais algumas pérolas, ditas sempre com aquele tom de quem efectivamente acredita no que está a dizer. Pelo menos, se existisse algum tipo de gestor de imagem naquela clubezeco, bem que podiam segredar ao senhor em questão que, o facto de ele falar sempre aos gritos não lhe confere nem credibilidade nem legitimidade para o que quer que seja.

Analisando então as frases, todas avançadas em grandes parangonas nos jornais, como se de revelações de extraordinária importância se revestissem, fica a ideia da inflexibilidade do clube cor-de-rosa em vender uma das suas jóias da coroa - e isto é só mesmo para o texto ficar algo pomposo, pois lá só existem é jóias de pechisbeque - e, nesse caso extremo, só se alguém pagasse a cláusula de rescisão, que todos sabemos ser de...25 MILHÕES!

Aqui, neste ponto, entra a matemática. Dirão alguns, já apaixonados pelas camisolas rosadinhas, que os 20 milhões em cash, mais o passe de dois jogadores, avaliados em 5 milhões, perfaz os tais 25 da cláusula referida. Pois, mas o que o Benfica fica é com o direito de opção sobre os jogadores o Atlético de Madrid, o que na prática se resume a...zero. Todos sabem também o que valeu o direito de opção sobre Miccoli. A questão do "direito de preferência" é um termo que fica bem. Aliás, fica sempre bem. Só para os mais esquecidos, quando Geovanni foi "vendido" (dado) ao Cruzeiro, o SLB tinha "direito de preferência" sobre jogadores do Cruzeiro. Por isso, Eliézio e agora Gladstone vieram para Portugal, mas não ficaram nem no Seixal nem na Luz. Pois...

Mas, neste mundo de fantasia em que vivemos, até parece que foi um razoável negócio. Razoável terá sido se o passe pertencer por inteiro ao clube das galinhas. Como existem versões opostas quanto ao caso, não pretendo opinar com conhecimento de causa. Se o tal fundo for detentor de metade do passe, os 20 milhões ficarão transformados, num ápice, em metade. Metade essa que crescerá alguma coisa, pois se o fundo for detentor do passe, o Benfica já teria embolsado alguma coisa do custo inicial de Simão. Este terá custado - também aqui diferem os valores - entre 12 a 15 milhões, o que faz perigar o razoável aplicado à operação. É que neste caso apontado, o Benfica teria tido, no máximo, entre 4 a 7 milhões de lucro com este negócio. "Fantástico", não é?

Neste deve e haver, também entra o tal rendimento desportivo do jogador, pois parece-me que os clubes não são - ainda - meros entrepostos de jogadores. Quer dizer, os clubes a sério, o que nem é propriamente o caso. E o que ganhou o conhecido simulador de penalidades, em 6 anos de águia ao peito?

1 Campeonato - vencido da forma que se sabe;
1 Taça de Portugal - com uma arbitragem deplorável, contra o grande PORTO de Mourinho;
1 Supertaça - mais uma vez, maculada com um grosseiro erro de Benquerença;

É pouquito, não é?

Ainda se arranjam mais duas "grandes" competições:
1 Torneio do Dubai - uau, que loucura;
1 Torneio de Moçambique - provavelmente, contra a equipa de amputados lá do sítio.

É assim a vida no reino das galinhas. Tentam, tentam, tentam, mas não conseguem ser como nós. Vêem finais europeias pela TV, vendem jogadores a preço de saldo e continuam, como diria o grande ANTÓNIO TAVARES TELES, a invejar-nos a grandeza e odiar-nos por isso. E eles que não conseguem vencer nada...

6 comentários:

tbz disse...

Tá tudo dito! Quando este é o maior negócio do benfica, ai se vê a dimensão patética do clube. Espantoso, como dizes, que alguns nos jornais se tenham aprestado a louvar o génio do orelhas, esquecendo-se do que ele tinha prometido: que o extremo só saia por 25 milhões!
O resto é o folclore de sempre. Compram-no por 13 - parece-me k é este o número - vendem-no por 20, ganham apenas 7 milhões e em 6 anos o simulação sabrosa ganhou aquilo que apontaste.

Alguém falou em Quaresma? É de outro patamar, meus caros!

andré pires disse...

Ó Paulo, olha que acho k o Atlético o contratou pela grandiosa vitória no Torneio do Dubai:)
Já li num jornal, e foi no Jogo, que Simão estava habituado a vencer!!!!!!!!!
Fiquei pasmo. Ganha 3 títulos em 6 anos, da forma k sabemos e k fazes referência, e está habituado a vencer???????
O que dirá esta gente dos atletas portistas, esses sim vencedores natos?

Bom fdsemana

Anónimo disse...

O Tavares Teles é que tem razão de sobra. Eles que vejam lá se ganham algum campeonatozito de vez em quando...

Dragaopentacampeao disse...

Este galináceos são mesmo cromos.

A megalomania crónica que os faz vibrar com coisas insignificantes.

Ao clube chamam glorioso e nunca foram campeões do mundo!

Ao estádio catedral por ser grande. Mas não é grande coisa! Que raio de cesto de pão!

Ao milhafre que faz uns voos para entreter pacóvios chamam-lhe águia vitória!

Já agora ao Orelhas e para manter a mesma filosofia deviam chamar-lhe Parabólicas!

Um abraço.

EdgeHead disse...

Exageras pouco, exageras! Já agora, fazias uma retrospectiva de todos os nossos campeonatos, taças e demais troféus. Aposto que, com jeitinho, encontravas erros para macular as nossas vitórias. Deves ter a mania que só vocês é que são prejudicados. Isso passa-te!

Paulo Pereira disse...

Reli o texto e não vejo ponta de exagero, ó Edge! Se falasses da venda do Simão e da hipotética venda de metade do passe a um fundo,propalada em certa imprensa, eu até entendia. Frisei, nesse ponto, k não falava com conhecimento da matéria, sendo os cenários avançados meramente hipotéticos.
Agora, em relação aos erros arbitrais nas competições enunciadas, são por demais evidentes:
O campeonato, vencido após jejum de 11 anos, teve inúmeros erros clamorosos, já sem referir a mudança do jogo com o Estoril. Penalidades inventadas foram mais do que muitas, inclusivé na deradeira jornada, no Bessa;
A Taça, comandados por Camacho, as imagens televisivas são elucidativas. O 1º erro, cronologicamente, foi a impunidade da agressão de F-Aguiar a J.Costa. Na altura, empatados no resultado, o Benfica deveria ter ficado reduzido a 10. Não ficou.
Finalmente, na Supertaça, o único golo com que derrotaram o Setúbal nasce de uma falta gritante, não sancionada por Olegário - aqui já ninguém o insultou - que deu o golo. Como vês, exagero em quê?

ps: E só por manifesta falta de tempo e meios é que não sigo a tua sugestão, analisando os vossos triunfos. Também, verdade seja dita, safo-me de ficar com as mãos sujas, de mexer em conquistas empoeiradas e já ferrugentas.

Um abraço e brigadinho pela visita!