22 de dezembro de 2008

Ataque "demolidor"

O ataque demolidor, avassalador e mais uma quantidade astronómica de adjectivos elogiosos volou a ficar em branco, frente ao Nacional. Mas vai ter, nas páginas dos pasquins, um alibi do catano. A anulação de um golo, em plena "catedral" da Luz, por muito bem que seja ajuizado o lance [e foi], é sempre motivo de polémica.

Já se sabe. Os campeões de Inverno [hip, hip, hurra] vão começar a utilizar o método torcionário de sempre. O recurso ao estafado tema da arbitragem e do famigerado sistema. Dessa forma, amparados no colinho costumeiro do Delgado, Cartaxana e mais uns quantos, ninguém fala do óbvio.

O Benfas [ou corja, se preferirem] depois de derrotado nas suas pretensões de frequentar a mais alta roda europeia, no Verão de todos os dissabores, viu-se relegado para a UEFA onde, vergonhosamente, saíu pela porta pequena, com um mísero ponto e o último lugar do grupo como mostra da verdadeira qualidade dos esquálidos patetas que constituem o plantel.

Não bastava isso e um rapazinho, com o parcimonioso nome diminutivo de Beto, fez-lhes nova desfeita. Foi o chamado 2 em 1. Duas eliminações, numa semana. Bastaria isso para ser uma semana negra. Mas Quique colocou novo prego no caixão. Afirmou, peremptóriamente, que o objectivo é "conseguir o apuramento para a Champions".

O apuramento, meus caros. Apenas isso. Foi esta frase, lapidar, que provocou um rombo na ancestral arrogância encarnada. Enxovalhados pelo próprio treinador.

Os correlegionários bem que se esforçam por insuflar ânimo nos adeptos. São parangonas atrás de parangonas. Títulos chamativos, apelando à mística, endeusando uns quantos como se constituissem um grupo de jogadores apetecíveis. Mas depois, vem aquele pequeno problema. A bola. E enfiá-la na rede.

nota: Falo de cor, mas aposto que o super-ultra-mega director desportivo do Benfas [ou corja, se preferirem] fez mais uma incursão ao túnel, coagindo a equipa de arbitragem. Nada de novo.

nota2: Aposto que, não tarda nada, algum visionário deixará de se preocupar com os 5,5 milhões de euros que o Porto pagou por metade do passe de Hulk. É que, bem vistas as coisas, esses ainda mostram que foram bem aplicados. Os 4 milhões pagos por Balboa, ou os 10 enterrados nesse "portento" chamado Aimar é que não. E darão que falar. Digo eu.

nota3: Já critiquei, em termos ácidos, o departamento de imprensa do Porto, pela forma como NÃO defende os interesses do clube na comunicação social. Até ontem. Luvas de pelica eram usadas nos duelos cavalheirescos da França romântica, cantada por Alxandre Dumas. Aqui, no Norte, a honra resgata-se, se necessário, a punhos. Foi o que fez Rui Carvalho. Provocações de funcionários da Liga são tratadas de forma conveniente. Para memória futura. Pelo menos, do imbecil que levou nas ventas.

4 comentários:

dragao vila pouca disse...

Eu já avisei: cá em casa tudo que leve farinhas para o Natal, é da Nacional e mais nada!
O Rui Costa ontem não falou, em vez dele falaram os jogadores - roubos para a frente e para trás - e o PORTISTA, que tem de disfarçar, Paulo Gonçalves.
Um feliz Natal.
Um abraço

AZUL DRAGÃO disse...

Paulo :

E o clarividente , isento e insuspeito título de A BOLA ?

..."ÁRBITRO ANULA GOLO LIMPO AO BENFICA NOS DESCONTOS "...


Já nem a vergonha lhes resta !

lucho disse...

Grande Paulo, mais um fantástico post.

Como é possível haver tanta unanimidade na imprensa qt ao lance do pseudo golo do benfas?

Para mim, há um toque evidente com a mão que coloca a bola nos pés do cardoso!

Branqueamento... Como já estamos habituados, mas isso eles não percebem como lhes é prejudicial...

ABRAÇO AO PAULO PEREIRA E AO BRUNO ROCHA E UM FELIZ NATAL PARA TODOS.

Anónimo disse...

Vai ser giro a nova Crónica do Senil Cartaxana.