27 de novembro de 2008

O Mundo Real

Não cesso de me surpreender com o sentido de Justiça do futebol. Aquela bola redonda, feita de couro, consegue fazer o papel de Deus, quando quer. Igualar as desgraças, fazer descer, de forma abrupta, do pedestal os pomposamente instalados.

Teceram-se considerações pouco abonatórias quanto ao Porto e à qualidade do plantel, depois da noite negra de Londres. E as loas em redor de Quique, esse "special one" com sotaque espanhol, cresciam exponencialmente, numa imprensa sempre ávida por glorificar as gentes da margem sul.

Dizia para mim mesmo: "deixa-os pousar". E eles iam-se divertindo. Sorrisos bonacheirões, rostos rubicundos de prazer, artigos cáusticos nas páginas dos jornais. Uma pândega. Uma festa de arromba, a cada novo desaire portista.

À inicial apreensão, com a vitória em Kiev, seguiu-se a habitual tentativa de branqueamento de uma vergonhosa arbitragem na Taça, que quase impedia os azuis-e-brancos de seguirem justamente em frente. A apreensão passou para outro nível. Receio. A vitória na Turquia, no inflamado estádio do Fenerbahce, só serviu colocar uns sorrisos amarelos nos rostos de muitos. E aquele nó no estômago, a dificuldade em engolir, a espinha cravada na garganta não enganava. O receio tinha desaparecido. O pânico tinha chegado. Em força.

O Record procurou, como sempre e ao arrepio do código deontológico que os devia nortear, menosprezar o êxito portista, com novo apuramento para os oitavos da Champions. Mas cometeu um erro capital. Na ânsia de achincalhamento, desprotegeu-se. E aquela capa, no pós-vitória do Porto, com Liedson e Messi em grande destaque, secundando o título de "a grande final" vai persegui-los até à eternidade.

Pagaram caramente a incúria. Viram o Sporting, esse "colosso" que conseguiu pela primeira vez na sua história o apuramento para os oitavos da Champions, a ser cilindrado em casa por um Barcelona em traje de passeio. "A grande final" foi algo pífio. Uma demonstração tremenda do que vale a equipa leonina. Nada. Brindada por olés por uma turba desesperada por emoções, num espectáculo circense que provocou pena.

José Delgado, esse paladino de tantas causas anti-portistas, deve ter tido uma premonição. Hoje, na Bola, conseguiu tecer uns elogios aos pupilos de Jesualdo. Tímidos, é certo, mas elogios. Afinal, aparentemente e nas suas sábias palavras, os outros grandes lusos estão a anos luz de distância da competitividade e qualidade que se encontra no Dragão.

Premonitório, já o tinha dito. No Olimpo, esse lugar mítico onde apenas a elite tem acesso, o dream team encarnado, com as pérolas Suazo e Reyes, glorificadas ad nauseum como a nata, foram despertados para uma triste realidade. O futebol é cíclico. E, por cada risada com os passes mortíferos da equipa de Wenger, pagaram hoje os juros. Bem caros, por sinal. Bem vindos ao mundo real, meus caros. Sem colinhos. Sem paliativos.

6 comentários:

Anónimo disse...

ó triste pereira...lá andas tu outra vez com as palas na visão!!!!!

olha que o sporting já chegou aos quartos de final dessa competição...é falso o que tu escreves....e logo tu! esse artista da escrita...grande triste pereira...

ainda bem que lembraste o jogo de londres....recordar aquele meiinho do arsenal, na área do porto, é uma coisa de arrepiar...até o wenger se divertiu....!!!

vá continua, sem a tua escrita os nossos dias são de escuridão literária...
força, triste pereira!!

Paulo Pereira disse...

LOL...Olha quem saiu da toca. Andavas desaparecido? É da azia?:)

Minha grande besta, o Sporting nunca chegou aos quartos da Champions, como aliás é facilmente comprovável na nossa intragável imprensa. Champions, ou em bom português, Liga dos Campeões...

Ora tu, nessa tua "inteligência" suprema, confundes alhos com bugalhos. A extinta Taça dos Campeões, onde até o Benfas participava, com esta prova de elite, onde nunca lá metem os pés...

Coisas distintas, mas pouco compreensíveis para um QI do género do teu.

Quanto ao riso do Wenger, lá está, foste mais uma vez incapaz de compreender um texto tão simples. Eu sei que usar figuras de estilo do género da ironia é demasiado complexo para ti, mas paciência...

É um blo exemplo daquele ditado popular, "quem ri por último..."

Estamos nos oitavos, depois de Londres. Ao invés, o vosso magnífico dream team, depois de ver a UEFA enxutá-los para a 2ª divisão europeia, continuam o trabalho de sapa. O de demonstrarem inequivocamente que o lugar do SLB é mesmo aquele. No meio da mediocridade.

Olha, toma um Kompensan que essa tua raiva passa:)
Pensando melhor, compra uma caixa. Acho que vais precisar dela para o resto da temporada...lol.

Nunca pensei que levares 5 na pá te doesse tanto. Já devias estar habituado.

dragao vila pouca disse...

Calma Paulo, olha que já não há Kompensan no mercado e depois isto neste portugalzinho já está complicado...
Sejamos condescendentes com as tragédias alheias, pois ao contrário das nossas, elas acontecem a uma velocidade difícil de acompanhar.
Um abraço

Anónimo disse...

5-1?, será isto a Justiça Divina?!
Para mim o Pai Natal passou mais cedo
Amorim

Bruno Pinto disse...

Paulo,

Tu e estes teus cáusticos textos... :) Forte e feio, até a mim me dói... :)

Depois dos momentos penosos que atravessámos, o FC Porto deu a volta por cima e voltou ao caminho dos êxitos, em jogos de elevado grau de dificuldade (Dínamo Kiev, Sporting, Guimarães e Fenerbahçe). O país começa agora novamente a entrar na fase da depressão e o FC Porto a voltar ao seu trajecto normal, o das vitórias.

Para completar o ramalhete, Sporting e Benfica são copiosamente goleados, sendo que perder 5-1 com o Olympiakos é obra (5-2 com o Barça é péssimo mas sempre se entende melhor...)! O país está definitivamente em crise... Até a Selecção é à meia-dúzia!!

AZUL DRAGÃO disse...

Paulo :

..." Bem vindos ao mundo real"...


Tal e qual !



Abraço