1 de março de 2008

Teoria da Rotatividade...

Bwin Liga, 21.ª jornada
Estádio do Bessa, no Porto
Árbitro: Duarte Gomes (Lisboa)

Boavista, 0 - Porto, o

FC PORTO:Helton, Fucile, João Paulo, Stepanov e Cech; Paulo Assunção, Lucho Gonzalez e Kazmierczak; Mariano González, Adriano e Farias.
Suplentes: Nuno, Bruno Alves, Lino, Raul Meireles, Hélder Barbosa, Quaresma e Tarik.
Treinador: Jesualdo Ferreira

Rotatividade ou revolução, eis a questão...

Haverá, por certo, opiniões discordantes quanto às mudanças. Eu sou assumidamente a favor, mas desde que a rotatividade seja feita de forma mais...comedida.

Rotatividade ou revolução, eis a questão...

Parece uma fala de uma qualquer peça de Shakespeare, mas desta feita encenada por Jesualdo. Amparado por uma mais que confortável margem pontual, nesta Superliga que já tem campeão anunciado, o treinador portista não se mostrou avarento na altura de dar...

Dar minutos a algumas pedras, habitualmente remetidas para o incómodo banco de suplentes, e conceder minutos benfazejos de descanso a armas nucleares. Isso já se sabia ou, pelo menos, suspeitava. Aos ventilados pela imprensa nomes de Pedro Emanuel, Lisandro e Bosingwa como potenciais espectadores privilegiados do derby tripeiro, juntaram-se, algo surpreendentemente, o mago dos dribles - Quaresma himself - Bruno Alves - numa arrojada aposta em inovadora dupla de centrais - Raul Meireles - cedendo o lugar a Kaz - e Tarik - Mariano Gonzalez a merecer a confiança, após a boa exibição para a Taça.

Estavam assim lançadas as premissas para o jogo, com um Porto remendado mas nem por isso menos dominador. Os axadrezados, jogando teoricamente em casa - 10.000 adeptos de azul e branco, num colorido fabuloso - optaram pelo contra-ataque, sempre a cargo das gazelas Laionel e Zé Kalanga.

O início do jogo, rápido e nervoso, poderia desde logo ter escrito uma história diferente, tivesse aquele remate que levava fogo de Fucile entrado. Teria sido um início fantástico para os Dragões. Pois. Mas não foi. E os resto foi mostrando o que um atento espectador adivinharia...

Falhas gritantes nas rotinas de jogo, pese o denodo empregue pelos titulares portistas, um corredor direito, a cargo de Fucile, que parecia uma auto-estrada com via verde para os avançados boavisteiros tentarem a sua sorte na baliza à guarda de Helton...

O jogo foi decorrendo, com pontuais motivos de interesse, sem grandes aparatos cénicos, jogado à base do músculo, do nervo e da velocidade. Um jogo leal, mas para homens de barba rija...

Sem grandes oportunidades de parte a parte, os Dragões, pese a sua supremacia na posse de bola, só conseguiam criar algum frisson pela arte de Lucho, continuamente soberbo no passe, e de Mariano Gonzalez, confiante nos lances individuais, cheio de vontage e energia para mostrar algo mais do que a imagem pálida que tem deixado aos adeptos.

O intervalo, geralmente bom conselheiro, trouxe nova substituição e novidade, daquelas de deixar um tipo atónito. Lucho ficou a tomar um retemperador duche, com Quaresma a entrar no seu lugar. Literalmente. Quaresma a fazer de argentino. Bem no meio da zona nevrálgica...

O Porto tentava, almejava e procurava, mas sempre em esforço, procurando apoquentar o último reduto da pantera. O espectáculo fazia-se...fora das quatro linhas. Cânticos entoados em uníssono, numa demonstração vibrante de alma de campeão, com uns inexcedíveis adeptos, empurrando a equipa para a vitória.

O Porto decresceu, na segunda metade. De forma nítida. Jesualdo não escondia alguma apreensão no banco, apesar da sua esfíngica face quase não se mover. O Boavista ameaçou, com 3 belas oportunidades de golo, colocando os portistas em sentido...

Até à expulsão, por segundo amarelo, a Diakité. Com mais uma unidade em campo, a pressão azul e branco acentuou-se, parecendo que o golo da vitória poderia surgiu a qualquer momento...

Surgir, ele surgiu, pela cabeça do sérvio Stepanov, mas um olho-de-lince com uma bandeira na mão invalidou-o, por pretenso fora-de-jogo. Pois. O do costume...

Depois da Madeira, no campo do Nacional, e de Alvalade, no embate com os leões, a sorte voltou a ser madrasta para os pupilos de Jesualdo. Se o Porto tinha entrado no embate a desperdiçar uma grande oportunidade de golo, acabou a contenda com nova e soberana ocasião. Quaresma a encher o pé, mas a bola a embater caprichosamente na barra da baliza adversária.

Estava escrito que não venceríamos...

Acabei o jogo com um travo amargo na boca. Frustrado pela perda de 2 pontos. Possivelmente, pouco importantes, mas a cultura de vitória que se instalou, faz décadas, no clube, origina este sentimento nos adeptos.

Jogador +: Paulo Assunção. O habitual pêndulo do meio-campo fez o trabalho de sapa, com a qualidade costumeira. Esforçado, sempre no caminho da bola, soube ser um farol no nevoeiro que assolou a produção da equipa.

Arbitragem: Mais do mesmo. Expulsou Diakité, mas foi conivente com outras entradas duríssimas dos axadrezados, pactuando com o anti-jogo dos minutos finais. A cereja no topo do bolo: a anulação, com o beneplácito do seu fiscal-de-linha, do golo da vitória. Já tem (mais) uma história para contar aos netos...

5 comentários:

BRUNO ROCHA disse...

Pobre!!!Muito pobre este Fcporto...
Rotinas zero e ate aqueles que sao habituais titulares destoaram no meio de tanta sofreguidao...fucile onde andas rapaz???Ha muito nao te vejo arrancar uma exibiçao de encher a alma( estará guardada para o S04).Lucho nao precisas de descansar???(Pede ao mestre e ao dep.medico) o resto deposi ve-se!!!
E tu Assunçao nao renovas, vais jogar ate a exaustao!!!Assim ninguem vai tirar partido dos teus 7 folegos...
Agora a serio..politica do ganhar!!!?!?!?Eu ate compreendo a importancia do jogo da Champions, mas se apostam tanto porque nao jogaram melhor na 1º mão???Só agora é k se lembraram que tambem era objectivo passar aos 4ºs final.
Depois se é para pouapr porque por titulares a jogar 45m e meias horas...poupem-nos todos de uma assentada.
Eu ate aceito a rotatividade e poupança mas nao assim , estavam 10mil adeptos ou mais e para mim acho desrespeitoso entrar no Bessa com aquele onze, mesmo com o S04 em pano de fundo, é que geralmente as poupanças depois nada servem porque os jogadores perdem o ritmo com tanta poupança...
Quando 1 jogador ta mal nao é a descansar que melhora é a jogar, e a confinça ganha-se jogando...o que jesualdo fez foi extremar a importancia dos titulares e eu nao concordo e podem dizer o que quiserem..eu tambem trabalho 5 dia por semana e mais horas por isso se tivessem sido poupados para a taça ok agora para o campeonato...

Enfim, a ver vamos ainda assim se a sorte que nos virou costas nos lances citados como de maior perigo Azul com Quaresma e o tiro de Fucile, aparece no Dragao 4ª feira....E se a Uefa manda tambem um arbitro bem auxiliado pelos Srs da bandeira porque este fora de jogo ao Stepanov nao lembra a ninguem!!!!

Em jeitos de final...outro derby a zeros, que futebol miseravel temos em Portugal...e este jogo ate podia ter como titulo "Titul(o)ares...ou Ares de Titulo" éo que da ter tanto ponto de avanço...

os bavaros que se cuidem, porque com tanta poupança vai haver excesso de velocidade e adrenalina a rodos....

AZUL DRAGÃO disse...

Paulo :

A história já foi contada .
Os netos (quando a souberem) não lhe vão perdoar !

dragao vila pouca disse...

Primeiro gostaria de salientar que ontem no Bessa lembrei-me das tardes de futebol com o F.C.porto arrastar grandes multidões no apoio à equipa.Depois apesar das poupanças com as quais estou, basicamente estou de acordo, mereciamos ter ganho.
Quarta-feira cada Dragão, tem de se um Super-Dragão no apoio à equipa.
Um abraço

Anónimo disse...

Antes de mais quero cumprimentar todos Amigos Dragões que frequentam este Blog.
Depois divulgar os meus próprios Blogs :
www.dragaoatento.blogspot.com
www.dragaosenior.blogs.iol.pt
Entretanto também opinar sobre o Boavista0 FC Porto0 .
A nossa equipa está a disputar 3 competições,e por conseguinte o responsável técnico tem de fazer as alterações necessárias na equipa de modo a garantir o máximo rendimento de cada elemento.Agora também acho que dado o esforço financeiro que o clube fez com as aquisições/contratações de reforços no início da época, os reforços já deviam estar a produzir mais.Quero significar, mais entrosados, com mais ritmo de competição, e com os niveis de confiança mais elevados.Mas para isso há que ser-se mais exigente, ter capacidade psicológica suficiente para mobilizá-los...etc.No meu Blog já fiz referencia aos dias de folga concedidos ao Plantel.Entendo que para os 12 ou 13 atletas que jogam normalmente e que por tal motivo estão em forma e perfeitamente entrosados até se pode compreender todos os dias de folga concedidos.Agora para os outros, que não estão em forma, que não estão adaptados e entrosados, esses têm de fazer um esforço maior, fazer horas extras até ficarem ao nivel dos titulares...

Dragaoatento disse...

Antes de mais quero cumprimentar todos Amigos Dragões que frequentam este Blog.
Depois divulgar os meus próprios Blogs :
www.dragaoatento.blogspot.com
www.dragaosenior.blogs.iol.pt
Entretanto também opinar sobre o Boavista0 FC Porto0 .
A nossa equipa está a disputar 3 competições,e por conseguinte o responsável técnico tem de fazer as alterações necessárias na equipa de modo a garantir o máximo rendimento de cada elemento.Agora também acho que dado o esforço financeiro que o clube fez com as aquisições/contratações de reforços no início da época, os reforços já deviam estar a produzir mais.Quero significar, mais entrosados, com mais ritmo de competição, e com os niveis de confiança mais elevados.Mas para isso há que ser-se mais exigente, ter capacidade psicológica suficiente para mobilizá-los...etc.No meu Blog já fiz referencia aos dias de folga concedidos ao Plantel.Entendo que para os 12 ou 13 atletas que jogam normalmente e que por tal motivo estão em forma e perfeitamente entrosados até se pode compreender todos os dias de folga concedidos.Agora para os outros, que não estão em forma, que não estão adaptados e entrosados, esses têm de fazer um esforço maior, fazer horas extras até ficarem ao nivel dos titulares...