7 de janeiro de 2008

Apito encarnado - parte 144 (e a contar...)

Sempre lesta a elogiar qualquer atitude de Camacho, a nossa subserviente imprensa lá tratou de tecer loas à dupla substituição engendrada pelo Jaime Pacheco espanhol, ao retirar de campo os candidatos a pugilistas, exemplo máximo de "cojones" por parte do treinador dos rosinhas...

Compreende-se a questão. Quanto mais se falar disso, menos tempo se perde a analisar o brutal erro de arbitragem de Paraty, nesse mesmo lance. O árbitro portuense, um dos preferidos de Luis Filipe Vieira, fazendo fé nas escutas telefónicas onde prazeirosamente o presidente dos encarnados escolhia os juízes, a seu bel prazer, "esqueceu-se" momentaneamente das regras disciplinares.

Independentemente de ambos os jogadores serem do mesmo clube, a violência inerente à caricata cena teria que ser forçosamente punida pelo homem do apito. Não havendo agressões físicas perpetradas, Luisão e Katsouranis teriam que ser admoestados com o cartão amarelo. No caso do central brasileiro seria o segundo, a que corresponderia o convite formal para ir tomar banho mais cedo.

Isto, repito, numa visão mais soft do lance, pois a agressividade atingida pelos dois contendores justificaria a amostragem, a ambos, de vermelho directo.

E depois disso, com a pobreza franciscana habitual, bem que queria ver o SLB a trazer de Setúbal um pontinho. É o colinho, é o que é...

2 comentários:

AZUL DRAGÃO disse...

Mesmo ao colo só mamaram 1 ponteco.

RCBC disse...

De facto tens toda a razão no post...
É óbvio que seria um cenário impossível que o Paraty, o senhor que deu o último campeonato aos vermelhos, mostrasse o amarelo aos dois pugilistas!!!
Caro amigo, copmeça a ser vergonhoso este campeonato português,tanta falta de qualidade das equipas,tanta falta de categoria dos jogadores e o nosso FCPorto metido nessa "linda" salada de frutas...jogar no campeoanto espanhol...JÁ!!!!!!!!!!!
Abraço