7 de setembro de 2007

Pressão alta

O termo, agora tornado quase uma espécie de religião, surgiu no léxico futebolista pela boca de José Peseiro. A "pressão alta" começou a ser uma espécie de elixir da juventud, um santo graal almejado por qualquer treinador, novo ou veterano...

Mas a pressão alta existe também fora das 4 linhas. Ora atentem, meditem e tirem as vossas conclusões:
"A curta experiência de trabalho com o FCP confirmou, infelizmente, o que tínhamos identificado no diagnóstico inicial: existe uma anormal coligação de interesses que procura impedir a expressão pública da vossa instituição.”

Um excerto da carta de rescisão da empresa de comunicação de Luís Paixão Martins com o FC Porto, justificando o decidido com o facto de estar a sofrer “pressões ilegítimas” que punham em causa a própria existência da LPM. A prova de que contém uma grande verdade é que já foi tornada pública há vários dias e não falta gente que nunca ouviu falar dela. Pois, para quê?

E ainda existe gente que não acredita que estamos a ser atacados...

1 comentário:

gm disse...

Os interesses e os verdadeiros motivos que levam a PJ a mover-se quer numa direcção, quer noutra, ficaram bem patentes no "Dossier Encarnado", se é que é para ser levado a sério.

Relativamente a este caso da LPM, curioso, ou não, como os únicos meios a darem o merecido relevo a esta notícia foram os blogs portistas, o Expresso e uma outra coluna de opinião pessoal. De resto... anda tudo muito caladinho... e já sabemos que quando anda tudo a tentar abafar algo, é motivo para desconfiar...

Abraço!

http://fcmangalhoes.blogspot.com