15 de maio de 2007

À procura de explicações!

A vida dá muitas voltas. Gozava eu, semanas atrás, com o PSV de Koeman e a sua aparente incapacidade de vencer o campeonato holândes, sem sofrimento, quando o Porto começa a imitar o mau exemplo vindo do País das tulipas. A equipa de Eindhoven chegou a liderar confortavelmente, com 11 pontos de avanço. A 5 jornadas do fim ainda detinha 8 pontos de avanço do concorrente mais próximo. No meio de um sofrimento atroz, os seus adeptos puderam finalmente comemorar o título, na última jornada, em igualdade pontual com os rivais do Ajax, pela margem mínima de 1 golo!!!
O Porto, já se sabe, terá que vencer o Aves, tarefa aparentemente ao alcance da mais cara equipa da Superliga. É até de forma envergonhada que utilizo o termo aparentemente perante a modéstia do Aves, mas a carreira da equipa, desde Janeiro, levanta dúvidas acerca das suas capacidades e o Estádio do Dragão à muito que deixou de ser um local inexpugnável. Bem frescas na memória estão as derrotas perante o Atlético e o Estrela da Amadora, equipas também elas modestas, mas que foram capazes de bater o pé ao Porto. Enigmático, Jesualdo foi incapaz de elucidar o porquê da "debacle" portista, nesta 2ª volta.
  • Lesões? Talvez, em alguns jogadores cruciais, mas os rivais também tiveram a sua dose de azares, e o plantel portista, orçado em 60 milhões de euros, deveria suprir a ausência de qualquer um.
  • Arbitragens? O eterno tema, sempre em debate, e o bode expiatório perfeito para sacudir culpas próprias. É certo que o Porto, em alguns jogos com resultados desfavoráveis foi espoliado. Em Leiria, onde ficaram 3 preciosos pontos, duas penalidades ficaram por marcar; aquele lance, no último momento do jogo caseiro com o Sporting, onde Pepe é literalmente abalroado; o golo do empate benfiquista, obtido em posição de fora de jogo. Erros que custaram pontos, é certo, mas que não explicam de todo as paupérrimas exibições portistas e a incapacidade de dominar as partidas.
  • Paragem de Natal? Foi a partir das mini-férias desportivas, coincidentes com o Natal e Ano Novo que o Porto começou a perder "gás". Mas, neste caso, não lembra nem ao diabo que, após 3 semanas de paragem, a equipa escalada para o encontro com o Atlético, não englobasse os habituais titulares, aumentando assim o seu tempo de afastamento da competição. Se é certo que perante uma equipa dos escalões secundários, os suplentes teriam que dar outra resposta, também é verdade que desde o início da época se sabia o tempo de paragem por altura das festividades. Pergunto eu, que sou ingénuo, não se poderia ter marcado uns jogos particulares, ajudando dessa forma à manutenção do ritmo desportivo?
Não existindo respostas concretas, resta-me apelar às forças divinas para que, perante o Aves, o Porto dê uma resposta cabal e termine o Campeonato com uma exibição agradável, premiando a sua massa associativa com um título, muito desejado. Mas que é confrangedor ver jogadores, como Lucho, a arrastarem-se em campo, sem a habitual confiança, temerosos, escondendo-se sistematicamente do jogo, lá isso é. Se a esse alheamento do argentino, juntarmos a o "desaparecimento" de Lizandro, a quebra de Paulo Assunção e a falta de outro extremo, capaz de rivalizar com a magia de Quaresma, o "puzzle" começa a ganhar forma. Agora, dê lá por onde der, é bom que se capacitem de uma vez por todas que o Porto é o CAMPEÃO em título e tem uma oportunidade soberana de o revalidar. Por isso, deixem-se de mariquices, joguem com garra e vençam o Campeonato. Depois da tarefa cumprida (pese tudo, não me passa pela cabeça que não sejamos capazes de vencer o Aves), então será a oportunidade ideal de dissecar a decepcionante 2ª volta.
P.S: E, já agora, que tal arranjarem um contrato vitalício ao Jesualdo num longínquo clube das Arábias? Ao que consta, pagam bem e, se o Manuel José, que é um treinador de merda com uma voz irritante é capaz de ganhar e andar todo contente, também o Jesualdo, conhecido pelo "Professor", se sairia bem desta aventura. Se for preciso pagar alguma coisa, contribuo com o que puder...

4 comentários:

lucho disse...

Meu caro Paulo, vamos ser campeões, apesar de Jesualdo...Um abraço.

Tiago Pimentel disse...

Todos nós que sofremos pelo Porto andamos à procura de explicações. Como dizes, nesta altura, o que interessa é assegurar o título. Depois logo se verá o que aí vem, mas parece-me que, sendo Campeões, o Jesualdo fica mais uma época. Eu até acho que ele tem feito um bom trabalho.
Um abraço portista

Jorge Almeida disse...

Concordo! Este Campeonato já deveria estar ganho a muito tempo. Não se percebe o que se passa naquela equipa. Parece que a bola queima. Quanto ao Jesualdo, por mim ia dar uma volta ao bilhar grande. Medroso do caralho! Tenho pena do Vitor Fernandez, que herdou uma equipa não escolhida por ele. Tá a fazer um bom trabalho no Saragoça e é uma excelente pessoa. Merecia uma oportunidade, começando a trabalhar com jogadores escolhidos por ele. O Jesualdo, em Dezembro, escolhe o Renteria!!!! Só por isso merecia um very-light na puta do carro.

bruno pinto disse...

O Jesualdo também herdou uma equipa não feita por ele!! O FC Porto tem descido de rendimento, mas culpar o Jesualdo por tudo é injusto, muito injusto. Quero que ele continue, sem dúvida nenhuma! É um grande senhor, que não tem recebido o apoio que todos precisam, quando se lidera um tubarão como o nosso clube. Não sejam injustos. Em 2006, o FC Porto foi excelente com o Jesualdo e a quebra em 2007, não foi apenas culpa dele, aliás é dos menos culpados. Opções técnicas apenas não justificam esta quebra, pois em 2006 ele já tomava opões discutíveis e ganhava. O clube não está a ser dirigido como em anos anteriores e o Jesualdo ressente-se disso.